A Eucaristia, a Igreja e os Pobres

06/04/2018 às 14h50

Côn. Lauro Sérgio Versiani Barbosa

O Papa Francisco, no seguimento de Jesus, expressou claramente o seu desejo de “uma Igreja pobre para os pobres” (EG 198). A instituição da Eucaristia na Última Ceia é um dos atos fundacionais da Igreja por parte de Jesus. Ela se insere numa cadeia de refeições de Jesus com os pobres e pecadores, demonstrando a vontade de Deus de acolher a todos em seu Reino (Mt 14,13-21; Mc 6,31-44; Lc 9,10-17; Jo 6,1-13; Mt 15,32-39; Mc 8,1-10; Mc 2,15-17; Lc 5,27-32; Lc 7,36-50; Lc 15,1-32; Lc 19,1-10). Por outro lado, a Última Ceia se distingue da tradição do estar à mesa de Jesus com os seus, não só por ser a sua despedida, mas por ser o pleno cumprimento e atualização do tempo da salvação, que a Igreja confessa com assombro reverente em sua liturgia: “Eis o Mistério da Fé” (Mysterium Fidei)! “Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus!” (Missal Romano).

“A Igreja celebra a Eucaristia, mas a Eucaristia faz a Igreja” é um axioma clássico da Teologia da Eucaristia. A Igreja vive da Eucaristia, nos recordava São João Paulo II, a Eucaristia é o “próprio núcleo do mistério da Igreja” (EE 1). Desde os seus primórdios a Igreja se reúne diariamente para a refeição em comum, conforme lemos nos Atos dos Apóstolos (At 2,46; At 6,1), continuando o que Jesus inaugurou com o seu gesto e as suas palavras: “Fazei isto em memória de mim” (Lc 22,19; 1 Cor 11,25). Assim, a Igreja é a comunidade messiânica que celebra a memória do Senhor, proclamando a obra da salvação e suplicando ao Senhor que a leve a bom termo. A Eucaristia é o sacramento da autodoação salvífica de Jesus Cristo. Trata-se do seu “dom por excelência” (EE 11). Memorial da paixão, morte e ressurreição de Jesus, que deu a vida por todos nós e inaugurou definitivamente o reinado de Deus na história, na força do Espírito para glória do Pai. A Eucaristia não só evoca o acontecimento central da nossa salvação, mas o torna presente e atuante, penhor da glória futura: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6,54).

Assim se expressa o Concílio Vaticano II a propósito do mistério da Eucaristia: “Na Última Ceia, na noite em que foi entregue, nosso Salvador instituiu o Sacrifício Eucarístico de Seu Corpo e Sangue. Por ele perpetua pelos séculos, até que volte, o Sacrifício da Cruz, confiando deste modo à Igreja, sua dileta Esposa, o memorial de sua morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de caridade, banquete pascal, em que Cristo nos é comunicado em alimento, o espírito é repleto de graça e nos é dado o penhor da futura glória” (SC 47).

Portanto, a Eucaristia torna sacramentalmente presente e atuante o sacrifício reconciliador de Cristo no Calvário, oferecido ao Pai por toda a humanidade. A este sacrifício se associa a Igreja que celebra a Eucaristia, oferecendo-se com e alimentando-se do Corpo de Cristo, fundamento da unidade-diversidade da própria Igreja (LG 11). No banquete eucarístico, “a eficácia salvífica do sacrifício realiza-se plenamente na comunhão, ao recebermos o corpo e sangue do Senhor” (EE 16). O Senhor nos alimenta, nos concede o seu Espírito e faz de nós um só corpo, edificando a sua Igreja (1 Cor 10,17). Esta Igreja é chamada a dar a vida pelos irmãos no seguimento de Jesus. A comunidade que participa do banquete eucarístico deve se tornar o corpo vivo do Senhor Ressuscitado. Já dizia o teólogo Joseph Ratzinger em 1963: “a meta suprema da Eucaristia não é a transformação dos dons... é a transformação dos homens viventes no corpo de Cristo”. A Eucaristia como refeição fraterna e festiva, memorial da Páscoa do Senhor, compromete a vida na solidariedade com os que sofrem: os pobres, os pecadores, os enfermos, os excluídos e marginalizados de todo o tipo. A Eucaristia é, pois, promessa de uma humanidade nova, possui um significado escatológico. Quem comunga do Corpo e Sangue do Senhor tem uma responsabilidade histórica de transformação deste mundo, até com o sacrifício da própria vida, a exemplo e fortalecido pelo sacrifício de Jesus, para que o mundo seja de Deus na fraternidade do Reino.

Pela Eucaristia a Igreja é o corpo do Ressuscitado, a comunidade de fé que oferece a vida pelos outros em solidariedade, inclui os pobres e marginalizados, dá testemunho profético do Reino de Deus, cultivando a memória subversiva de Jesus e continuando a sua presença no mundo para a salvação de todos. A Igreja é “o povo reunido na unidade do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (São Cipriano, apud. LG 4). O Pai é aquele que revelou o Reino aos pobres e pequenos no Espírito Santo (Mt 11,25-27; Lc 10,21-22). O Espírito Santo é aquele que ungiu Jesus para evangelizar os pobres (Lc 4,14-22). A presença de Cristo na Igreja pela Eucaristia possibilita que ela reconheça a presença de Cristo no pobre (Mt 25, 31-46), se coloque no seguimento de Jesus, sob a Palavra de Deus, como servidora dos sacramentos e não proprietária deles, para ser a Igreja pobre e dos pobres na força do Espírito Santo. Esta deve ser uma característica fundamental da Igreja de Jesus Cristo, reconhecer Jesus nos pobres e sofredores: “As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo” (GS 1).

O Servo de Deus Dom Luciano Mendes de Almeida em conferência no Congresso Eucarístico de Florianópolis (2006), pouco antes de sua morte, dizia: “A Eucaristia é preparada por Jesus com as multiplicações do pão e dos peixes, transmitindo aos discípulos o dever de dar pão a quem tem fome. “Tive fome e me destes de comer” (Mt 25,40) e a palavra diante da multidão: “Dai-lhes vós mesmos de comer!”(Lc 9,13). É, pois, um dever básico da fraternidade que se estende a todos sem distinção”. E, mais adiante, Dom Luciano amplia o horizonte de atuação e aponta para o compromisso social de quem participa da Eucaristia: “a força da Eucaristia deve nos impulsionar para atitudes mais abrangentes e procurar transformar a sociedade por meio de leis e políticas públicas que modifiquem o sistema de acumulação doentia de bens aumentando a riqueza de poucos e segregando cada vez mais os pobres. A Eucaristia deve unir a comunidade a serviço dos mais pobres e habilitar os cristãos a contribuir para leis e medidas que garantam vida digna para todos: trabalho, salário justo e moradia”.

Assim, devemos nos interrogar sobre a qualidade de nossa vida sacramental e litúrgica, pessoal e comunitária, na perspectiva da fidelidade a Jesus Cristo. Não se pode contentar com uma espécie de intimismo religioso que não se comprometa com a transformação da sociedade à luz do Reino de Deus. Reduziríamos a Eucaristia e a Igreja, trairíamos a memória subversiva de Jesus. À luz da Conferência do Episcopado Latino-Americano e Caribenho de Aparecida (2007), das orientações da CNBB para a renovação das paróquias e das exortações e testemunho do Papa Francisco, devemos todos nos empenhar para que as nossas comunidades sejam missionárias e servidoras, no seguimento de Jesus, verdadeiramente corpo do Senhor ressuscitado no mundo a partir da Eucaristia celebrada e vivida.

 

Referências Bibliográficas

ALDAZÁBAL, J., A Eucaristia, in D. BOROBIO (org.), A Celebração na Igreja 2, São Paulo, Loyola, 1993.

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA, São Paulo, Loyola, 2000.

CONCÍLIO VATICANO II, Petrópolis, Vozes, 1980.

DULLES, A., A Presença de Cristo na Eucaristia, in Comissão Central do 15º Congresso Eucarístico Nacional, Subsídio Teológico 4, São Paulo, Paulinas, 2006.

FRANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, São Paulo, Paulus – Loyola, 2013.

GUARDINI, R., O Senhor, Lisboa, Livraria Morais Editora, 1964.

JEREMIAS, J., Isto é o Meu Corpo, São Paulo, Paulinas, 1978.

JOÃO PAULO II, Carta Encíclica Ecclesia de Eucharistia, São Paulo, Loyola, 2003.

JOÃO PAULO II, Carta Apostólica Mane Nobiscum Domine, São Paulo, Paulinas, 2004.

MENDES DE ALMEIDA, L. P., Eucaristia e Transformação da Sociedade, in Perspectiva Teológica 38, 2006.

PAULO VI, Carta Encíclica Mysterium Fidei, São Paulo, Paulus, 1997.

ROSATO, P., Introdução à Teologia dos Sacramentos, São Paulo, Loyola, 1999.

ROSATO, P., De Sacramentis I, Roma, PUG, 2000.

TABORDA, F., Eucaristia e Igreja, in Perspectiva Teológica 17, 1985.

VERSIANI BARBOSA, L. S., Eucaristia: Mistério da Fé, in Reflexões 5-6, 2006-2007.


Voltar

Confira também: