Missa de abertura da Assembleia da CNBB é presidida por Dom Sérgio da Rocha

11/04/2018 às 10h51

Cerca de 400 bispos participaram na manhã desta quarta-feira (11) da celebração eucarística de abertura da 56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, no Altar Central do Santuário de Aparecida. A santa missa foi presidida por Dom Sérgio da Rocha, presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

O principal evento da Igreja Católica no país reunirá até o dia 20 de abril, cardeais, arcebispos, bispos administradores de dioceses, arquidioceses e prelazias para a discussão de importantes temas como a situação dos seminários, traçando diretrizes para a formação de novos presbíteros e a formação permanente dos sacerdotes. A programação da 56ª Assembleia Geral acontece no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida.

Durante a missa de abertura da Assembleia, Dom Sérgio enfatizou a importância de iniciar o encontro dos Bispos na Casa da Mãe Aparecida com a Eucaristia, que é sustento da vida de todo o cristão. “Essa celebração eucarística é o primeiro ato da Assembleia Geral e assinala a recordação que a Eucaristia é o sustento da nossa vida e a fonte da comunhão desses dias da Assembleia e de toda a nossa vida, afim de que nossas ações sejam realizadas em Deus”.

O presidente da CNBB também lembra que é por meio da oração que os desafios para a realização da missão da Igreja nos dias de hoje serão superados, enfatizando que “Não podemos desanimar... as dificuldades não devem impedir o anúncio da Palavra de Deus”.

“Por isso estamos aqui rezando, por isso precisamos da oração de todos. Obrigado a todos os irmãos e irmãs que nos acompanham com a sua oração, principalmente nesse período de assembleia. Temos nesses dias, uma oportunidade especial para crescer ainda mais na comunhão entre nós e na comunhão com a Igreja, para enfrentar os desafios unidos a Cristo”.

Diante dos esforços da Igreja católica em preparar bem os presbíteros para que sejam homens de Deus e homens do povo, Dom Sérgio ressalta “Que cristo sempre nos anime a viver a missão tão difícil de evangelizar... o testemunho de comunhão torna-se cada vez mais uma exigência que é indispensável para que o mundo creia suplicando ao Pai a unidade de todos os discipulados”.

Com a conclusão das discussões da 56ª Assembleia Geral a expectativa é que as percepções integrem um texto base que será apresentado à Congregação para o Clero do Vaticano, onde deve ser referendado, e se tornará um documento da CNBB que orientará a formação dos novos presbíteros no Brasil.

Ainda durante a Assembleia haverá a eleição dos delegados e suplentes para a XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, marcada para outubro deste ano, no Vaticano.

Fonte: A12

Foto: Ivan Simas


Voltar

Confira também: