domingo

, 14 de abril de 2024

Reflexão do Dia

Liturgia Diária

SANTA ÁGUEDA, VIRGEM E MÁRTIR • 05/02 – Ano B

1ª Leitura

1 Reis 8,1-7.9-13
 

Inaugurando o templo, Salomão e o povo de Israel imolaram sacrifícios ao Senhor. Já a Jesus foram apresentados doentes, que eram tocados e curados por seu poder, como estímulo à fé e à conversão.

Leitura do primeiro livro dos Reis – Naqueles dias, 1Salomão convocou, junto de si em Jerusalém, todos os anciãos de Israel, todos os chefes das tribos e príncipes das famílias dos filhos de Israel, a fim de transferir da cidade de Sião, que é Jerusalém, a arca da Aliança do Senhor. 2Todo Israel reuniu-se em torno de Salomão, no mês de Etanim, ou seja, no sétimo mês, durante a festa. 3Vieram todos os anciãos de Israel, e os sacerdotes tomaram a arca 4e carregaram-na junto com a tenda da reunião, como também todos os objetos sagrados que nela estavam; quem os carregava eram os sacerdotes e os levitas. 5O rei Salomão e toda a comunidade de Israel, reunida em torno dele, imolavam, diante da arca, ovelhas e bois em tal quantidade, que não se podia contar nem calcular. 6E os sacerdotes conduziram a arca da Aliança do Senhor ao seu lugar, no santuário do templo, ao Santo dos Santos, debaixo das asas dos querubins, 7pois os querubins estendiam suas asas sobre o lugar da arca, cobrindo a arca e seus varais por cima. 9Dentro da arca só havia as duas tábuas de pedra que Moisés ali tinha deposto no monte Horeb, quando o Senhor concluiu a aliança com os filhos de Israel, logo que saíram da terra do Egito. 10Ora, quando os sacerdotes deixaram o santuário, uma nuvem encheu o templo do Senhor, 11de modo que os sacerdotes não puderam continuar as funções porque a glória do Senhor tinha enchido o templo do Senhor. 12Então Salomão disse: “O Senhor disse que habitaria numa nuvem, 13e eu edifiquei uma casa para tua morada, um templo onde vivas para sempre”. – Palavra do Senhor.

Salmo

Salmo 131(132)
Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso!

1. Nós soubemos que a arca estava em Éfrata / e nos campos de Iaar a encontramos. / Entremos no lugar em que ele habita, / ante o escabelo de seus pés o adoremos! – R.

2. Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso, / subi vós, com vossa arca poderosa! / Que se vistam de alegria os vossos santos, / e os vossos sacerdotes, de justiça! / Por causa de Davi, o vosso servo, / não afasteis do vosso ungido a vossa face! – R.

Evangelho

Marcos 6,53-56
 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Jesus pregava a Boa-nova, o Reino anunciando, / e curava toda espécie de doenças entre o povo (Mt 4,23). – R.

Proclamação do santo Evangelho segundo Marcos – Naquele tempo, 53tendo Jesus e seus discípulos acabado de atravessar o mar da Galileia, chegaram a Genesaré e amarraram a barca. 54Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus. 55Percorrendo toda aquela região, levavam os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava. 56E, nos povoados, cidades e campos aonde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra de sua veste. E todos quantos o tocavam ficavam curados. – Palavra da salvação.
Reflexão:

 

Sem ser incomodado pelas autoridades, Jesus circula livremente por “toda a região”. Não fixa um ponto para o atendimento, mas percorre “vilarejos, cidades ou campos”. E os doentes acorrem a ele com as próprias pernas ou transportados em macas e postos diante dele. Querem tocar ao menos a barra do seu manto. Pelo toque, dá-se a transmissão de uma energia curativa. Lucas esclarece: “porque dele saía uma força que curava a todos” (Lc 6,19). Naturalmente, Jesus oferece uma cura que ultrapassa o aspecto físico, conforme a disposição interna da pessoa. A cura verdadeira e completa atinge o interior. É a libertação da ganância, do ódio, dos ressentimentos e tristezas. Dos que eram curados, Jesus esperava inteira adesão a ele e generoso serviço à comunidade.