terça-feira

, 16 de abril de 2024

31ª Romaria das Trabalhadoras e Trabalhadores reúne cerca de mil romeiros em Teixeiras (MG)

04 de maio de 2023 Arquidiocese

“Trabalhadoras e Trabalhadores com fome e sede de justiça lutam por libertação”. Foi clamando esse tema que cerca de mil pessoas, dentre elas, cristãos católicos, leigos, religiosos, políticos, bem como integrantes de movimentos sociais e sindicais, lotaram as ruas do município de Teixeiras (MG), no último dia 1º de maio, para a 31ª Romaria das Trabalhadoras e Trabalhadores.

A Romaria iniciou-se no Posto Giramundo e percorreu pelo Centro da cidade com o intuito de chamar a atenção da população para a luta dos direitos trabalhistas, bem como para os malefícios da mineração realizada de forma inadequada. A última parada da Romaria foi na área da Capela do Bom Jesus, onde foi realizada a missa do Dia do Trabalhador, presidida pelo Coordenador Arquidiocesano de Pastoral, Padre José Geraldo de Oliveira.

“Qual que era a ideia? Passar pelas principais ruas de Teixeiras para chamar a atenção da cidade, para a luta contra a mineração que está desrespeitando a vida na sua integralidade. Por isso, fizemos três paradas: uma logo na saída, depois na Praça do Patrimônio e na Praça Santo Antônio e encerramos na área da Capela do Bom Jesus, porque o Bom Jesus tem um apelo devocional muito forte na cidade”, disse o Padre Geraldo Martins Dias, Pároco da Paróquia São João Batista e ex-Coordenador Arquidiocesano da Dimensão Sociopolítica, que é a responsável pela organização da Romaria.

De acordo com o Administrador Paroquial da Paróquia Santo Antônio Teixeiras, Padre Francisco Maria de Castro Moreira, a Romaria mostrou que a fé vai além das paredes da igreja.

“A construção da Romaria foi sendo trabalhada por uma grande equipe, formada por pessoas da comunidade e da região. Foi um despertar, uma chamada de atenção, mostrando que a fé não se vê apenas dentro da igreja, mas temos que sair também pelas ruas, pelas vias públicas, para testemunhar essa nossa adesão a Jesus Cristo, que veio para salvar, para libertar, ele disse: ‘Eu vim para que todos tenham vida e vida em abundância’. Nós cristãos devemos estar cada vez mais empenhados nesta busca de vida mais digna para todos”, disse.

Impactos ambientais causados pela mineração são enfatizados na Romaria

Confira o que disse alguns participantes sobre o assunto:

“Nós estamos em uma região onde começa a mineração, começaram por Teixeiras, em uma comunidade chamada São Pedro e nós estamos acompanhando o sofrimento, o drama das famílias que estão sendo prejudicadas pela mineração. Nós compreendemos que nenhuma mineração deve ser acolhida e aceita, quando ela explora, a exaustão, à Terra, quando não contempla os moradores, quando não considera o meio ambiente”, disse o Padre Geraldo Martins Dias.

“A gente vive um contexto totalmente de destruição da comunidade, das relações humanas, das relações de vizinhanças, de parentescos, dos bens materiais e imateriais, como as suas festas culturais. Muitas coisas foram destruídas ao longo desse tempo, até o momento atual”, relatou Gilmar Fialho de Freitas, morador da comunidade de São Pedro e atingido pela mineração de Teixeiras.

“A Romaria é um respiro, é um alívio na vida da gente, é um estímulo para a gente continuar lutando contra essas mazelas. A mineração tem se mostrado algo extremamente danoso por onde passa, e o que vem ocorrendo em Teixeiras não é diferente. A gente percebe a comunidade São Pedro passando por séries dificuldades, sendo desapropriada do seu território, sendo arrancada do seu território. O Impacto provocado por essa exploração, através, por exemplo, das carretas que vão passar em diversos municípios como própria Teixeiras, Viçosa, Piranga até Conselheiro Lafaiete, vem causando estragos”, destacou Marcelo Leles Romarco de Oliveira, Prof. Dr. em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e Docente do Departamento de Extensão Rural/ UFV.

Confira os feedbacks da 31ª Romaria dos Trabalhadores e das Trabalhadoras

“A Romaria foi um momento de alegria, de reencontro com os trabalhadores e trabalhadoras que caminham lutando por justiça, mantendo acesa a chama da esperança num mundo melhor. Esta Romaria nos apresentou a realidade da Comunidade São Pedro que está sendo destruída pela mineradora. É um grito de socorro por aqueles que vivem ameaçados”, disse Candida Maria Martins, Agente da Pastoral da Comunicação da Paróquia do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG).

“A Romaria foi um momento de fé, comunhão e de união. Como diria Dom Pedro Casaldáliga: ‘Na dúvida, fica do lado dos pobres’. A Romaria foi muito importante, para revigorar as lutas dos movimentos sociais na Zona da Mata de Minas”, destacou Marcelo Leles Romarco de Oliveira, Prof. Dr. em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e Docente do Departamento de Extensão Rural/ UFV.

“Com a Romaria, a gente se sentiu abraçado por toda a Arquidiocese, na luta que a gente tem aqui junto com a nossa Paróquia, junto com as pessoas que estão sofrendo e que estão sendo prejudicadas pela mineração”, relatou Gilmar Fialho de Freitas, morador da comunidade de São Pedro atingido pela mineração de Teixeiras.

“Como o Padre Geraldo demonstrou na pregação, esta nossa caminhada foi uma grande pregação para toda a cidade de Teixeiras”, disse o Padre Geraldo Martins Dias.

Confira outras fotos AQUI

Fotos: Candida Maria Martins

Agenda