domingo

, 16 de junho de 2024

Agentes da Pastoral Carcerária da Região Mariana Leste recebem formação sobre a missão da pastoral

29 de março de 2023 Arquidiocese

A Pastoral Carcerária da Região Mariana Leste e o Assessor Regional, Padre José Geraldo da Silva (Pe. Juquinha), realizaram no último sábado, 25 de março, uma formação para os agentes de suas foranias. O trabalho se desenvolveu a partir do tema “A missão da Pastoral Carcerária à luz do Plano Arquidiocesano de Evangelização (PAE)” e contou com a assessoria da Coordenadora Arquidiocesana da Pastoral, Magda de Fátima e Oliveira.

À ocasião, os presentes tiveram a oportunidade de aprofundar os conhecimentos sobre o PAE, seu objetivo e como a Pastoral Carcerária está em sintonia com a Arquidiocese de Mariana. Durante as reflexões, os agentes fizeram suas considerações, questionamentos e perceberam que, conforme pedido no PAE e pelo Papa Francisco, a Pastoral Carcerária é verdadeiramente o que se chama de uma Igreja em Saída, pois deixa a segurança que a sacristia proporciona e vai em direção das periferias existenciais, indo até a última cela, o castigo, o seguro, a enfermaria.

É importante ressaltar que, para o agente da Pastoral ir ao encontro dos irmãos privados de liberdade, a primeira condição é sair fisicamente, pois os presídios, em sua maioria, estão situados fora dos perímetros urbanos e longe das paróquias. É necessário também, para desempenhar bem a missão, sair dos apegos, das próprias seguranças, certezas, superar os preconceitos e sobretudo uma conversão pessoal.

Foram apresentados dados, conforme o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), dos presídios presentes nessa Região, os quais não se apresentam diferentes da realidade nacional: superlotação e condições regulares em sua rede física e outros.

Alguns agentes se manifestaram e apresentaram o que é para eles a missão de agentes. Para Gisele, da cidade de Viçosa (MG), “os presos são os invisíveis da sociedade”. Por isso, segundo ela, “somos convidados a sair de nós mesmos das nossas seguranças, superar nossos preconceitos, compreender o que está sendo dito, conhecer o profundo da pessoa e levá-los a viver a liberdade. É missão da gente evangelizar, promover a dignidade humana, escutar, acolher, mas também, anunciar e denunciar. Precisamos, como discípulos, estarmos preparados espiritualmente, nutridos pela Palavra e pelo Pão. É missão de todo cristão visitar aqueles que estão privados de liberdade”, disse.

Na avaliação da agente Bete, “o sábado foi abençoado e trouxe ânimo para não desistir jamais. Vejo a importância da união do grupo e os momentos de formação”. Além disso, os demais deixaram sua gratidão pela oportunidade de compreenderem melhor o PAE e a Pastoral.

Texto e fotos: Pastoral Carcerária da Região Mariana Leste