domingo

, 14 de agosto de 2022

Batizados e enviados: entrevista com padre João Batista

23 de outubro de 2019 Arquidiocese

Juntamente com o padre João do Carmo, a Diocese de Almenara, no Norte de Minas, acolhe o padre João Batista Barbosa que também está em missão. Em entrevista ao Departamento Arquidiocesano de Comunicação (DACOM), padre João Batista relata um pouco de sua experiência missionária. 

DACOM: Onde e há quanto tempo o senhor está em missão?

Padre João Batista: A vida é missão. Atualmente estou na diocese de Almenara. Desde o dia 13 de maio de 2019 estou na Paróquia São José, em Fronteira dos Vales. Estamos na divisão dos Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucuri.

Dacom: Do ponto de vista eclesial e social, como é a realidade da região onde o senhor estar? 

Padre João Batista: Sinto um pouco a realidade da arquidiocese de Mariana antes de Dom Luciano. Muita piedade, carência de reflexões mais aprofundadas de fé e vida. Uma região evangelizada por maioria de religiosos franciscanos. Poucos padres residentes. A atuação dos leigos é boa. Os movimentos são fortes e valorizam muito os padres, os freis e freiras, sem muito depender deles. Do ponto de vista social, aqui se equipara as cidades mais empobrecidas de Mariana. Percebo a carência de políticas públicas. Vemos um grupo pequeno de muito ricos e uma maioria com muito pouco. Mas um povo feliz.  Percebo também que o povo emigra para as cidades grandes, sobretudo os jovens. Essa é uma região rica de terra boa, de água e de um clima bom.

DACOM: Como nasceu o desejo de ir em missão no senhor?

Padre João Batista: Sempre senti essa inquietude que me levou para o seminário, para a ordenação, para as missões de férias, santas missões populares, para a missão além fronteira. Missão é servir e eu gosto de servir. A gente cresce quando saí, quando partilha e são várias as experiências vivenciadas. Sempre acreditei em uma Igreja missionária, repleta de comunhão, participação, de comunidades eclesiais. Sempre sonhei com o projeto dioceses irmãs e graças ao apoio de Dom Airton, que compreendeu a importância de dar o passo, estou nessa experiência.

Dacom: Como a experiência missionária pode colaborar com a vida eclesial?

Padre João Batista: O povo costuma dizer que a experiência é tudo. A cabeça pensa onde os pés pisam. Sempre acreditei em um Igreja toda missionária, de comunhão e participação. Espero, neste curto período de 3 anos, criar laço de comunhão, de participação, de padres e leigos. Colaborando assim no enriquecimento, na ação missionária dentro e fora da arquidiocese, unindo fé e vida, na certeza de caminharmos na estrada de Jesus. Testemunho que estou aqui muito motivando, como sempre fui, pelo testemunho vivo de Dom Luciano, Servo de Deus, e razão da nossa missão. 

Agenda