terça-feira

, 02 de junho de 2020

Catequese do Papa Francisco sobre a oração – O mistério da Criação

21 de maio de 2020 Igreja no Brasil e no Mundo

CATEQUESE DO PAPA FRANCISCO
Biblioteca Apostólica – Vaticano
Quarta-feira, 20 de maio de 2020

Boletim da Santa Sé
Tradução: Liliane Borges (Canção Nova)

Catequese: O mistério da Criação

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

Prosseguimos com a catequese sobre a oração, meditando sobre o mistério da criação. A vida, o simples fato de existirmos, abre o coração do homem à oração.

A primeira página da Bíblia se assemelha a um grande hino de ação de graças. A história da criação é pontuada por refrões, nos quais são continuamente reafirmadas a bondade e a beleza de tudo o que existe. Deus, com Sua palavra, chama à vida, e tudo vem à existência. Com a palavra, separa a luz da escuridão, alterna dia e noite, alterna as estações, abre uma paleta de cores com a variedade de plantas e animais. Nesta floresta transbordante, que derrota rapidamente o caos, o homem aparece por último. E essa aparição provoca um excesso de exultação que amplia satisfação e alegria: “Deus viu o que havia feito e eis que era uma coisa muito boa” (Gn 1,31). Coisa boa, mas também linda: você pode ver a beleza de toda a criação!

A beleza e o mistério da criação geram, no coração do homem, o primeiro movimento que desperta a oração (cf. Catecismo da Igreja Católica, 2566). Assim recita o oitavo Salmo que ouvimos no início: “Quando vejo seus céus, o trabalho de seus dedos, a lua e as estrelas que vós fixaste, o que é o homem, por que dele se lembrar?” Por que você cuida do homem?” (vs. 4-5). A pessoa que ora contempla o mistério da existência a sua volta vê o céu estrelado acima dele – e que a astrofísica nos mostra hoje em toda a sua imensidão – e pergunta-se que desígnio de amor deve estar por trás de uma obra tão poderosa!… E, nesta vastidão sem limites, o que é o homem? “Quase um nada”, diz outro Salmo (cf. 89,48): um ser que nasce, um ser que morre, uma criatura fragilíssima. No entanto, em todo o universo, o ser humano é a única criatura consciente dessa profusão de beleza. Um pequeno ser que nasce morre, hoje existe e amanhã não existe, é o único consciente dessa beleza. Estamos conscientes dessa beleza!

A oração do homem está intimamente ligada ao sentimento de estupor. A grandeza do homem é de extrema pequenez quando comparado ao tamanho do universo. Suas maiores realizações parecem pouca coisa… Mas o homem não é nada. Na oração, um sentimento prepotente de misericórdia é afirmado. Nada existe por acaso: o segredo do universo está em um olhar benevolente que alguém coloca em nossos olhos. O Salmo afirma que somos feitos pouco menos que um Deus, somos coroados de glória e honra (cf. 8,6). O relacionamento com Deus é a grandeza do homem: sua entronização. Por natureza, somos quase nada, pequenos, mas por vocação, por chamado, somos filhos do grande Rei!

É uma experiência que muitos de nós já fizemos. Se a história da vida, com toda a suas amarguras, às vezes corre o risco de sufocar em nós o dom da oração, basta a contemplação de um céu estrelado, um pôr do sol, uma flor… é suficiente para reavivar a centelha do agradecimento. Essa experiência é talvez a base da primeira página da Bíblia.

Quando o grande relato bíblico da criação é elaborado, o povo de Israel não está passando por dias felizes. Um poder inimigo havia ocupado a terra; muitos foram deportados e agora estavam escravos na Mesopotâmia. Não havia mais pátria nem templo, vida social e religiosa, nada.

No entanto, partindo da grande história da criação, o homem começa a encontrar motivos para o agradecimento, louvar a Deus pela existência. A oração é a primeira força da esperança. Você ora, a esperança cresce e vai adiante. Eu diria que a oração abre a porta à esperança. A esperança está aí, mas com minha oração abro a porta. Porque os homens de oração guardam as verdades básicas; são eles que repetem, antes de tudo para si mesmos e depois para todos os outros, que esta vida, apesar de todos os seus esforços e provações, apesar de seus dias difíceis, é cheia de uma graça para se maravilhar. E, como tal, deve sempre ser defendida e protegida.

Homens e mulheres que oram sabem que a esperança é mais forte que o desânimo. Eles acreditam que o amor é mais potente que a morte, e que, certamente, um dia triunfará, mesmo se em tempos e modos que não conhecemos. Os homens e mulheres de oração trazem reflexos de luz em seus rostos: porque, mesmo nos dias mais sombrios, o sol não para de os iluminar. A oração o ilumina, ilumina sua alma, ilumina seu coração e ilumina seu rosto. Mesmo nos tempos mais sombrios, mesmo nos tempos de maior dor.

Todos somos portadores de alegria. Você já pensou nisso? Que você é portador de alegria? Ou você prefere trazer más notícias, coisas que entristecem? Todos somos capazes de trazer alegria. Esta vida é o presente que Deus nos deu: e é muito curta para consumi-la com tristeza, amargura. Louvamos a Deus, simplesmente felizes por existir. Olhamos para o universo, olhamos para as belezas e também para nossas cruzes e dizemos: “Mas você existe, você fez isso por nós”. É necessário sentir a inquietação do coração que nos leva a agradecer e louvar a Deus: somos filhos do grande Rei, do Criador, capazes de ler sua assinatura em toda a criação; aquela criação que não cuidamos hoje, mas nessa criação há a assinatura de Deus que a fez por amor. Que o Senhor nos faça entender isso cada vez mais profundamente e nos leve a dizer “obrigado”, e este “obrigado” é uma bela oração.

Fonte: Canção Nova Notícias