quinta-feira

, 13 de junho de 2024

Cerimônia de acolhimento do novo Diretor Espiritual do Seminário São José e de admissão dos candidatos às Ordens Sacras é realizada pela Arquidiocese de Mariana

03 de março de 2023 Arquidiocese

“Seminário, casa de vida, sublime dom. Em Mariana, com Maria e José, nobre missão Bendito o povo que colhe dos teus frutos. És luz acesa da evangelização”.

A receptividade do Seminário São José não está registrada somente no seu contexto histórico, como na letra de composição do seu hino, ela também reverberou, na quarta-feira, 1º de março, durante a cerimônia de acolhimento do Padre Lucas Muniz Alberto, como Diretor Espiritual da instituição, e de admissão às Ordens Sacras dos candidatos: André Lopes da Silva, Antônio Marques Ferreira, Claudinei Corrêa Freitas, Diêgo Souza Almeida, Eduardo Lucas Rocha, Pedro Vitor de Oliveira, Róbison dos Anjos Moura, Rômulo Tadeu Vieira Ribeiro. 

A missa presidida pelo Arcebispo de Mariana, Dom Airton José dos Santos, e concelebrada pelo Reitor do Seminário São José, Padre Sérgio José da Silva, contou com a participação de seminaristas, amigos e familiares dos candidatos às Ordens Sacras, e foi transmitida pelas redes sociais, para todos os fiéis que não puderam estar presentes na ocasião. 

Os trâmites da cerimônia

No início da cerimônia foi realizado o rito de apresentação e nomeação do Padre Lucas Muniz Alberto, como Diretor Espiritual do Seminário São José, assumindo a responsabilidade pela formação dos candidatos ao Ministério Presbiteral. Logo após, o Padre Lucas fez a sua profissão de fé. 

Dando sequência, na liturgia da palavra, foi realizada a leitura do texto bíblico (Jonas 3-1, 10), do salmo 50(51) “Ó Senhor não desprezeis um coração arrependido”,  e da leitura do Evangelho (Lucas 11-29,32). 

Durante a homilia, o Arcebispo Metropolitano de Mariana disse que o processo de discernimento é a resposta do candidato ao presbiterato em comunhão com aquilo que a igreja propõe.

“A Igreja pede que esse rito [de admissão às Ordens Sacras] seja feito porque começa aqui o processo de discernimento mais apurado da resposta que vocês estão pensando dar a Deus. Por isso, vocês contam e devem contar mesmo, com os mestres, os diretores espirituais, os professores formadores, para ajudar vocês a fazerem esse caminho de discernimento. Discernir qual é a resposta que vocês estão preparados para dar a Deus, a proposta que Deus faz, é um processo e vocês começam neste momento. O discernimento sobre o chamado de Deus e sobre o reconhecimento ao chamado de Deus não vem de dentro de nós, não é uma resposta intimista, é uma resposta que vocês devem dar em comunhão com aquilo que a igreja propõe. Hoje, vocês são admitidos como candidatos às Ordens Sagradas. Aqui está o critério de discernimento. Vocês estão dando um passo significativo exatamente no tempo da Quaresma. Vocês estão se comprometendo ainda mais com a transformação pessoal, com a conversão pessoal, para serem discípulos verdadeiros de Cristo. E é Nele que vocês vão encontrar o único caminho que nos leva ao Pai”, destacou Dom Airton. 

Após a homilia, o Padre Lucas fez o juramento de fidelidade. Na oportunidade, ele disse como recebeu o novo ofício. 

“Acolhi esta nova missão com o coração disponível e desejoso de corresponder sempre ao chamado do Senhor, onde seja que ele me queira. Ser Diretor Espiritual do Seminário é colaborar com todos os meios no cultivo da espiritualidade na vida dos seminaristas e ajudá-los a compreender e discernir o chamado de Deus em suas vidas. O grande guia, orientador da vocação, é o Espírito Santo. É ele quem conduzirá os jovens na resposta ao chamado. O diretor espiritual está como um instrumento humano, ‘uma bússola’, para ajudar os  jovens a discernir os apelos de Deus em suas vidas, ajudando-os a lidar em nível de fé com todas as dimensões que envolvem o caminho formativo”, ponderou Padre Lucas sobre a sua nova função arquidiocesana.

Antes de sua nomeação como Diretor Espiritual, Padre Lucas estava exercendo o seu ministério como Pároco na Paróquia de São Miguel Arcanjo, em Araponga (MG), desde 29 de junho de 2021. De acordo com ele, toda nova missão traz consigo alegrias e desafios. “Venho muito aberto à graça de Deus, pois creio que do mesmo modo que Ele me capacitou para a missão na Paróquia de São Miguel Arcanjo, em Araponga (MG), agora Ele me capacitará para essa missão. O primeiro desafio é a mudança de rotina da vida paroquial para o Seminário. Enfim, é continuar a missão sacerdotal, pois independente do lugar, serei padre e farei o que é próprio dessa vocação”, apontou. 

Rito de admissão entre os candidatos às Ordens Sacras 

Ao final do juramento de fidelidade do Padre Lucas, foi realizado o Rito de admissão às Ordens Sacras dos oito candidatos. Com a bênção e vestição da túnica, preces e oração, os candidatos manifestaram publicamente o seu compromisso em dar sequência a sua preparação com propósito de receber o Sacramento da Ordem.

Confira os relatos dos admitidos às Ordens Sacras: 

Pedro Vitor Taciano, da Paróquia São Sebastião, de Raul Soares (MG)

“Em todo meu processo vocacional me esforcei para realizar a vontade de Deus, livremente. Hoje, ao ser admitido às Ordens Sacras e revisitando todo meu processo vocacional, apregoo com o profeta Samuel que até aqui o Senhor me sustentou. Esse novo passo, nos meandros de meu discernimento vocacional, é a ressonância mais concreta da manifestação do amor de Deus por mim; não que eu mereça, que seja digno ou que esteja pronto, mas, sim, que Ele me ama! Essa certeza é o que me faz caminhar com segurança: segurança de quem se reconhece mendigo, isto é, dependente de Deus. Peço orações, a fim de que o Senhor possa me conduzir a um autêntico discernimento vocacional”, disse Pedro. 

Diêgo Souza Almeida, da Paróquia São Sebastião, de Conselheiro Lafaiete (MG)

“Manisfestar publicamente o  propósito de me consagrar ao serviço de Deus e da humanidade por meio do rito de admissão às Ordens Sacras, representa, para mim, uma grande responsabilidade de compromisso com a Igreja. Responsabilidade essa que  me leva ao firme propósito de preparar o meu coração constantemente para que eu possa servir fielmente a Cristo, assumindo as preocupações do povo Deus e ouvindo os apelos do Espírito Santo. Tenho consciência de que sozinho tudo isso se torna impossível de se realizar.  Mas creio fielmente no Senhor que me chamou e que me conduz  com a sua graça neste caminho vocacional rumo ao sacerdócio ministerial”, apontou Diêgo.

Fotos: Comunicação do Seminário São José