sexta-feira

, 26 de novembro de 2021

Conselho do Laicato da Arquidiocese de Mariana divulga mensagem pelo Dia do Leigo

21 de novembro de 2021

Neste domingo, 21 de novembro, Solenidade de Cristo Rei, celebra-se também o Dia do Leigo. Confira a mensagem preparada pelo Conselho do Laicato da Arquidiocese de Mariana (CLAM) para a data.

 

MENSAGEM AO LAICATO DA ARQUIDIOCESE DE MARIANA

Quando Jesus percebeu que queriam levá-lo para proclamá-lo rei, retirou-se sozinho para o monte” (Jo 6,15)

Irmãs e irmãos muito queridos;

Paz e bem!

É com sentimento de profunda gratidão que me dirijo a vocês por ocasião do Dia do Laicato.

Quero dizer que tenho muito orgulho de vocês. Muito carinho e admiração também. Vocês fazem a diferença em nossa Igreja de Mariana. São de fato a força evangelizadora, transformadora e pastoral da nossa Arquidiocese.

Ao falar isto, tenho em mente o Conselho do Laicato, nossas coordenações, lideranças, agentes, catequistas, membros dos movimentos em defesa da vida, irmãs e irmãos engajados na política, bem como uma multidão de pessoas que não aparecem, muitas vezes anônimas ou escondidas, que, sem fazer alarde, são fermento que faz crescer e sal que torna a vida mais saudável e gostosa de se viver.

Vejam que feliz coincidência: iniciamos a comemoração desta data no Dia da Consciência Negra e vamos encerrá-la já no clima da nossa grande Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe. É para lembrar nosso compromisso com as grandes causas do Reino e com a verdadeira comunhão.

Além de lhes falar do nosso reconhecimento e da profunda gratidão pelo que são, em primeiro lugar, mas também pelo que fazem, minha mensagem traz também um pedido. Que tenhamos como meta compreender melhor, procurar viver, e anunciar o que significa realmente o reinado de Jesus.

Não tenho a pretensão de possuir a verdade, mas me inspiro naquele que mais falou do seu Reino e associa sua missão de rei a testemunhar a Verdade.

Em primeiro lugar, dá pra perceber que Jesus fala muito de Reino, mas não gosta desta ideia de ser rei. É o que vimos na citação acima. Ele foge. E no diálogo dele com Pilatos, que a Igreja traz nesta Solenidade para nossa reflexão, ele “enrola” o quanto pode pra responder se é rei, e vai deixar claro que não tem nada a ver com os reinos que conhecemos.

Nas parábolas para ajudar a entender a ideia de Reino, nunca falou de palácio, trono, cetro, mantos, exército. Mas fala de festa de casamento, celebração do amor, música, dança, comida… Fala de plantação e semeadura, quando se lançam sementes de coisas boas que crescem, florescem, dão frutos, alimentam, curam… Fala de rede que se lança para envolver a todos sem distinção, trazer para perto, puxar o outro para o próprio coração… Fala de tesouro precioso pelo qual vale a pena renunciar muita coisa… etc. etc. etc.

E quando diz que virá como Rei para julgar mostra claramente com quem se identifica: doentes, presos, migrantes, famintos, sedentos e excluídos (cf. Mt 25,31ss). Este é o nosso Rei. Este é o seu reinado.

Vamos ajudar nosso povo e a própria Igreja a apagar essas imagens de um Jesus embranquecido e elitizado, sentado em trono, com mantos e cetro. Vamos divulgar mais a imagem do pastor, do lavador de pés, daquele que se identifica com as vítimas da sociedade.

Que jamais a festa de Cristo Rei seja pretexto para alimentar o ‘reizinho’ que muitas vezes carregamos na barriga, mas seja o óleo que venha alimentar a chama bonita do amor e do serviço que Jesus acendeu em nosso coração no dia do nosso batismo.

Barão de Cocais, 20 de novembro de 2021.

Pe. José Antonio de Oliveira

BAIXE AQUI O PDF DA MENSAGEM AO LAICATO DA ARQUIDIOCESE DE MARIANA

Foto: Reprodução do Conselho Nacional do Laicato no Brasil

VEJA TAMBÉM