domingo

, 14 de agosto de 2022

Dia Mundial dos Pobres: Arquidiocese promove gesto concreto “Óbolo da Viúva”

08 de novembro de 2019 Arquidiocese

Como gesto concreto inspirado no III Dia Mundial dos Pobres, celebrado este ano no dia 17 de novembro, a Cáritas Arquidiocesana promove o Óbolo da Viúva, ação inspirada no exemplo da viúva pobre, que doou de coração o que possuía (Lc 21,1-4). Cada paróquia fará a coleta de acordo com o costume local.

“É uma forma de sensibilizar a todos, de que existem pessoas pobres que precisam da nossa generosidade e que podemos sim, socorrê-las”, ressalta o diretor-presidente da Cáritas Arquidiocesana, diácono Tanus Henriques.

Ele explica que Óbolo é o pequeno donativo feito aos pobres, além da discriminação e o empobrecimento que a mulher tinha quando se tornava viúva. “Jesus se sensibilizou com esta situação, a qual foi descrita por Lucas no seu Evangelho”, lembra.

O valor arrecadado será administrado pela Cáritas Arquidiocesana, que identificará na Arquidiocese as situações mais urgentes e vulneráveis para o socorro.

 

“Levantando os olhos, viu Jesus os ricos que deixavam as suas ofertas no cofre do templo. Viu também uma viúva pobrezinha deixar duas pequeninas moedas, e disse: Em verdade vos digo: esta pobre viúva pôs mais do que os outros. Pois todos aqueles lançaram nas ofertas de Deus o que lhes sobra; esta, porém, deu, da sua pobreza, tudo o que lhe restava para o sustento”. (Lc 21,1-4)

 

 

Dia Mundial dos Pobres

Inspirado no tema “A esperança dos pobres jamais se frustrará”,  o Dia Mundial dos Pobres, instituído pelo Papa Francisco com a Carta Apostólica “Misericordia et misera” de 2016, na conclusão do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, é celebrado no domingo anterior ao da festa de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo.

Na carta, o pontífice explica que esta nova celebração seria a “mais digna preparação para bem viver a solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, que Se identificou com os mais pequenos e os pobres e nos há de julgar sobre as obras de misericórdia”.

“Será um Dia que vai ajudar as comunidades e cada batizado a refletir como a pobreza está no âmago do Evangelho e tomar consciência de que não poderá haver justiça nem paz social enquanto Lázaro jazer à porta da nossa casa (cf. Lc 16, 19-21)”, escreveu.

 

Foto: Reprodução

Agenda