quinta-feira

, 18 de abril de 2024

Diáconos permanentes e suas esposas participam de encontro em Mariana

23 de maio de 2023 Arquidiocese

A Casa de Filosofia do Seminário São José, em Mariana (MG), acolheu no último sábado, 20 de maio, os diáconos permanentes e suas esposas para participarem de um momento de formação e espiritualidade. Reunindo 31 pessoas, o encontro contou com as presenças do Arcebispo Metropolitano, Dom Airton José dos Santos, e do Assessor Arquidiocesano da Pastoral Familiar e sacerdote responsável por acompanhar os diáconos, Padre Luiz Roberto de Souza.

Segundo Padre Beto, como é mais conhecido, durante o encontro, Dom Airton trabalhou com os casais sobre a espiritualidade matrimonial, uma vez que o “matrimônio é graça de Deus, é o sacramento do amor, do perdão e da compreensão”. Além disso, à oportunidade, o Arcebispo Metropolitano de Mariana também abordou sobre a presença das esposas na vida dos diáconos.

“Dom Airton foi muito feliz em sua colocação, quando então, falou da grande espiritualidade da família. A família, como berço, é a célula vital da sociedade. Tudo que fizermos pelas famílias ainda será pouco”, relatou presbítero que acompanha os diáconos arquidiocesanos.

Segundo Maria Aparecida, esposa do Diácono Fábio Márcio, por meio da Carta de São Paulo aos Efésios, Dom Airton ponderou para a necessidade de atentar-se para o sentido da palavra submissa, narrada nessa passagem bíblica. “Assim, entendemos a bênção do texto bíblico: submissa é servir e não fazer com que as pessoas compreendam que essa palavra é deixar transparecer que a mulher está abaixo do seu esposo. No final do texto, ele nos tranquiliza, ou melhor, dá a entender, que quem manda é a esposa e ainda fala que quem faz acontecer muitas vezes o matrimônio é ela”, comentou.

“Dom Airton fez essa belíssima reflexão no sentido de a gente santificar nosso sacramento dia após dia por meio de orações, um dando a vida pelo outro. O nosso encontro foi, e sempre será, de suma importância, pois voltamos para o nosso convívio com esse compromisso de sempre estar em oração para santificar o nosso esposo e compreendermos que a nossa família é graça de Deus.  Somos responsáveis por santificar todos os membros da nossa família, pois recebemos o sinal sagrado do matrimônio. Se o casamento não tiver a espiritualidade conjugal, ele não perdura”, disse Maria Aparecida.

Por sua vez, Padre Beto elencou que o primeiro trabalho do diácono é a vivência da caridade. “Reforcei que o diácono não pode ser um funcionário do sagrado, mas presença de fé e de espiritualidade”, disse. Atualmente, a Arquidiocese de Mariana conta com 36 diáconos permanentes que colaboram nas diversas paróquias. “Cada momento desse vivido é um tempo de graça dentro da diaconia, onde os diáconos e as esposas podem participar de mais um momento de fé na missão a eles confiada”, destacou.

Na opinião de Maria Aparecida, rever os diáconos e as esposas foi gratificante neste encontro. “Quero muito agradecer pelo carinho: o espaço físico aconchegante, o alimento e todos que nos acolheram. Foi maravilhoso! […] Como é bom para o nosso crescimento espiritual e nossa vivência em comunhão com a Igreja. […] Muito obrigado diácono Sebastião e Maria José, sempre atentos a todos nós”, expressou.

Para o Diácono Délio Duarte, o momento foi uma oportunidade de aprofundamento na espiritualidade e prática pastoral, bem como reencontrar os irmãos diáconos e juntos rezarem, trocarem experiências e partilharem sobre a vida. “As orientações, muito precisas do nosso Arcebispo, com certeza, vão nos ajudar muito no exercício diário da nossa vocação. Embora seja o único diácono solteiro na Arquidiocese, eu moro com minha mãe, tendo também uma vida familiar que precisa ser cuidada”, afirmou o colaborador da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG).

Com a colaboração e foto do Diácono Sebastião Góes Pereira

Agenda