quinta-feira

, 18 de julho de 2024

Em entrevista, padre Marcos Macário comenta sobre a devoção ao Sagrado Coração de Jesus

19 de junho de 2020 Arquidiocese

Nesta sexta-feira, 19 de junho, a Igreja celebra a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus. A data foi instituída em 1856 pelo Papa Pio IX, duzentos anos após as aparições de Jesus à Santa Margarida Maria Alacoque, e é festejada, todos os anos, na sexta-feira da semana seguinte à Festa de Corpus Christi.

Na arquidiocese, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus perpassa gerações e é demonstrada por meio das coroações da imagem do Sagrado Coração de Jesus e pela presença do Apostolado da Oração nas paróquias. Para saber mais sobre essa devoção, o Departamento Arquidiocesano de Comunicação (DACOM) conversou com o vigário episcopal e pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus de Conselheiro Lafaiete, padre Marcos Macário. Confira a entrevista na íntegra:

Dacom: Como nasceu à devoção ao Sagrado Coração de Jesus?

Pe. Marcos Macário: A devoção ao Sagrado Coração de Jesus tem suas primeiras origens na Sagrada Escritura, quando o evangelista São João afirma que “um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água” (Jo 19, 34). Além disso, o próprio Jesus disse: “Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós e aprendei de mim, porque eu sou manso e humilde de coração” (Mt 11, 28-29). 

Entretanto, um acontecimento marcante para a divulgação dessa devoção, foram as revelações de Jesus à Santa Margarida Maria Alacoque, monja da Ordem da Visitação de Santa Maria. Foram três, as chamadas “Grandes Aparições”, onde Nosso Senhor indicou e recomendou esta devoção, indicando algumas práticas, dentre elas, a Comunhão Reparadora nas nove primeiras-sextas-feiras, e proferindo “As Doze Promessas”.  Desde então, a devoção se propagou, sendo recomendadíssima pelos Santos e pelos Pontífices.

Dacom: Na arquidiocese, como essa devoção nasceu?

Pe. Marcos Macário: Não se sabe ao certo, quando tenha sido a introdução oficial desta devoção na Arquidiocese de Mariana. Entretanto, é no mínimo marcante a introdução da primeira imagem do Sagrado Coração de Jesus na Catedral da Sé de Mariana, feita pelo primeiro Bispo, Dom Frei Manuel da Cruz, por volta do ano 1748, ou seja, nos primeiros anos desta Igreja Particular. Tal imagem, que consiste na representação do Coração cercado da coroa de espinhos, com alguns anjos, foi entronizada no altar de São José na Catedral. Segundo alguns historiadores, esta é a primeira imagem do Sagrado Coração de Jesus no território de Minas Gerais.

Além disso, outro evento importante quanto a esta devoção nesta Arquidiocese, foi a construção de um Santuário Arquidiocesano, onde a devoção ao Sagrado Coração de Jesus pudesse ser referência. O primeiro Santuário a ser criado para este fim, foi o Santuário instituído em Miguel Burnier, por Dom Helvécio. Entretanto, devido ao entroncamento de linhas férreas, o Centro de Peregrinação foi transferido por Dom Oscar de Oliveira, para um novo Santuário, a ser construído, em Conselheiro Lafaiete. Assim sendo, em 1965 foi criada a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, e iniciada a construção do Santuário Arquidiocesano em Conselheiro Lafaiete. A grande imagem que se venera no interior do atual Santuário Basílica, foi adquirida pela Arquidiocese, muitos anos antes do início da construção da igreja, e doada pelo Arcebispo para tal fim. Em 2003, o Santuário Arquidiocesano foi elevado à dignidade de Basílica Menor, por sua Santidade, o Papa São João Paulo II.

Dacom: Quais são os compromissos do Apostolado da Oração?

Pe. Marcos Macário: O Apostolado da Oração, atualmente também chamado de Rede Mundial de Oração do Papa, tem como principal missão, rezar nas intenções propostas pelo pontífice em cada mês, fazendo a cada dia o seu “Oferecimento Diário”. Tal oferecimento consiste, como indica a própria oração, em oferecer ao Pai, as orações e obras, os pensamentos e palavras, as alegrias e sofrimentos, em reparação das faltas e em união como o Coração de Jesus, que continua a oferecer-se todos os dias na Eucaristia pela Salvação do mundo.  Aliás, a reparação das ofensas ao seu Sagrado Coração, foi um dos principais pedidos feitos por Jesus à Santa Margarida, em suas aparições, e é feita, de modo muito especial pela comunhão reparadora, nas Primeiras Sextas, e na Adoração da quinta-feira que as antecede.  Tais atos são algumas, das principais práticas do Apostolado da Oração.

Dacom: Todos os anos, no dia do Sagrado Coração de Jesus os novos Zeladores e Associados do Apostolado da Oração do Sagrado Coração de Jesus são apresentados. Neste ano, como será essa apresentação?

Pe. Marcos Macário: Neste ano, devido ao momento difícil da pandemia que vivenciamos, tal acolhida foi adiada para uma próxima data oportuna, infelizmente, uma vez que as Missas com a participação dos fiéis estão suspensas. Entretanto, ainda assim, muitas paróquias celebrarão esta Solenidade, cuja instituição foi também pedida por Jesus à Santa, e os fiéis poderão acompanhar tais celebrações de suas casas.

Dacom: O Apostolado da Oração está presente em todas as paróquias da arquidiocese?

Pe. Marcos Macário: Como disse, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, está presente em nossa Arquidiocese, desde o seu início, e caminha com esta devoção o Apostolado da Oração. Tal movimento é um dos mais presentes em nossas paróquias, seja em número de Centros, seja em quantidade de membros. Segundo os dados que possuímos, ele está presente em praticamente todas as paróquias da Arquidiocese, com pouquíssimas exceções.

Dacom: O senhor acredita que este tempo de isolamento social pode ser uma oportunidade para as famílias cultivarem a devoção ao Sagrado Coração de Jesus em suas casas?

Pe. Marcos Macário: Sem dúvidas este tempo é propício para este cultivo. A segunda e a terceira promessa do Sagrado Coração de Jesus, são especialmente voltadas para as famílias, e para o cultivo desta devoção no seio familiar: “Estabelecerei a paz nas suas famílias. /Abençoarei os lares onde for exposta e honrada a imagem do Meu Sagrado Coração”. Sem dúvidas, quer Jesus que seu reino seja estabelecido, inicialmente e principalmente nas famílias, reinando a paz e o amor, frutos de seu Coração. É tempo de resgatar a oração em família, como o Terço, e a prática da Entronização dos quadros ou imagens do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria, realizada antigamente nas famílias católicas, e instituída pelo saudoso Monsenhor Hermenegildo na cidade de Conselheiro Lafaiete, através das ondas da rádio. É, sem dúvidas, tempo das famílias voltarem seu olhar para os Sagrados Corações, e neles encontrarem a paz e a mansidão para lidarem com as lutas e conflitos de cada dia, dentro e fora do lar, tendo em si “os mesmos sentimentos de Cristo Jesus”, como indica o apóstolo Paulo.

Que este tempo de recolhimento no interior de nossas casas, nos faça redescobrir a beleza da Igreja Doméstica, tão incentivada pelo Papa Francisco, e tão querida pelo Sagrado Coração de Jesus. Que ele derrame sobre nós as suas bênçãos, e nos ajude a superar este momento de provação. Sagrado Coração de Jesus, nós temos confiança em Vós!