sábado

, 18 de setembro de 2021

Entidades elaboram nota pública em defesa das matrizes de danos dos atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão

06 de setembro de 2021

Com o intuito de fortalecer as matrizes de danos construídas com a participação das atingidas e atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, as assessorias técnicas Cáritas MG (Mariana) e AEDAS (Barra Longa) em parceria com a Frente Mineira de Luta das Atingidas e dos Atingidos pela Mineração (FLAMa-MG) produziram uma nota pública. O lançamento do texto aconteceu na última quarta-feira, 01 de setembro, de forma virtual. Com a proximidade do marco de seis anos do maior crime socioambiental do país, a nota pretende destacar a falta de agilidade nos processos de reparação das perdas e danos sofridos pelas comunidades atingidas.

Além do apelo ao uso destas matrizes de danos construída com a participação das vítimas, o grupo denuncia as violações que a Fundação Renova vem cometendo na vida de atingidas e atingidos, como, por exemplo, o recém sistema indenizatório, que se diz “simplificado”,  o “Novel”, que está sendo aplicado em Barra Longa e começa a causar confusão entre os  atingidos de Mariana. Esses tipos de modelos indenizatórios “reproduzem a violação aos direitos humanos e ao meio ambiente condizentes com o nível do constrangimento causado pelo desastre-crime”, afirma a nota.

Para conferir a nota na íntegra, acesse aqui. Compartilhe e apoie a causa.

Saiba mais sobre a Matriz de Danos dos atingidos de Mariana:

Texto: Wandeir Campos e Ellen Barros, comunicadores da Cáritas em Mariana

Imagem: Divulgação Cáritas

Agenda

VEJA TAMBÉM