sábado

, 13 de julho de 2024

Exaltação da Santa Cruz e coleta para os lugares santos marcam a tarde da Sexta-feira Santa, em Mariana (MG)

07 de abril de 2023 Arquidiocese

Vestidos de vermelho, a cor dos mártires, o Arcebispo Metropolitano, Dom Airton José dos Santos, e o Pároco e Reitor da Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Padre Geraldo Dias Buziani, se prostaram no chão diante do altar desnudo, silenciosamente, simbolizando a humanidade oprimida e penitente, nesta Sexta-feira da Paixão. Foi assim que se deu início a solene Ação Litúrgica em memória da Paixão e Morte do Senhor, às 15h, na Catedral da Sé, em Mariana (MG).

Durante a cerimônia, foi proclamado o anúncio da Paixão de Cristo (Jo 18,1 – 19,42). Neste momento, os fiéis relembraram os passos vividos por Jesus desde a condenação até a morte na cruz.

Em seguida, em sua homilia, Dom Airton disse que “precisamos ajudar as pessoas a reconhecer Jesus Cristo como a luz do mundo a luz ilumina todos”.

“Ouvindo esse texto, esse relato da Paixão, nos lembramos e devemos lembrar sempre de trazer a nossa fé. Este fato, é um acontecimento, não é uma história, ou uma novela que foi escrita para passar na televisão não, é uma história com H maiúsculo, não é um conto, aconteceu, e isso é registrado.

Nosso Senhor entregou a sua vida na cruz e os apóstolos quando começaram a pregar o Evangelho, o primeiro anúncio do Evangelho é exatamente isso, quando os discípulos estavam reunidos no meio dos judeus fechados numa sala, o Espírito Santo vem sobre eles, no dia de Pentecostes, e eles saíram e começaram a anunciar na Boa Nova do Rei. O primeiro anúncio de São Pedro apresenta ao povo aquele que vós crucificastes e levantastes se tornou o Cristo, o Senhor, este aqui ressuscitou.

Há de ter até alguns que foram catequizados, fizeram a primeira comunhão e escutaram bem o primeiro anúncio, aquele que foi crucificado, que foi morto, está vivo, ressuscitou. Esta é a grande novidade da nossa fé cristã.  Nós semelhamos isso porque o encontro com o Homem ressuscitado não é um encontro com uma pessoa, mas é uma vida espiritual voltada para Deus e nela nós encontramos Jesus Cristo pelo caminho da nossa existência.

Nós saibamos estar atentos, de coração aberto, para nos encontrarmos com o Senhor quando ele vier a nosso encontro. Jesus vem a nosso encontro nas situações mais variadas, o sofrimento, nas tristezas, nos momentos difíceis da vida, nos momentos em que nós nos sentimos mais abandonados, o Senhor vem ao nosso encontro, mas, às vezes, nós temos o coração endurecido, os olhos fechados, e não conseguimos perceber que ele está conosco.

Nós vivemos no tempo de grandes confusões, existem pessoas batizadas, filhos de quem foi batizado, de família católica, que vive, que não aceita mais a fé. Nós temos pessoas que não aceitam mais a fé, fazem chacota, os mais velhos que o digam.

Nós somos criaturas; nós não somos deuses; não somos melhores do que ninguém na Terra; é preciso reconhecer essa nossa condição pequena e frágil. Portanto, precisamos e necessitamos da Graça de Deus, da força que Deus nos dá. Jesus Cristo é a luz que ilumina todo o ser humano”, disse Dom Airton.

Dando sequência a liturgia, foi rezada a oração universal pelo Padre Geraldo Dias Buziani, pelos ministros da Eucarística e pelo Arcebispo de Mariana. Essa oração trouxe como intenções a Santa Igreja, o Papa, os fiéis, os catecúmenos, a unidade dos cristãos, os judeus, os que não creem em Cristo, os que não creem em Deus, os poderes públicos e os que sofrem provações.

Exaltação da Santa Cruz

Descalço, o Arcebispo de Mariana, Dom Airton José dos Santos, iniciou a segunda parte da Liturgia, chamada de Exaltação da Santa Cruz, carregando “o lenho do qual pendeu a salvação do mundo” coberto por um véu vermelho, descobrindo-o e beijando o Cristo.

Ao final da cerimônia, os fiéis fizeram fila para beijar o Cristo na Cruz e contribuíram com a coleta para os lugares santos.

Fotos: Magu Tavares