segunda-feira

, 15 de agosto de 2022

Fiéis e sacerdotes descrevem como foi voltar a celebrar a Semana Santa presencialmente

20 de abril de 2022 Arquidiocese

Depois de terem ocorrido de forma restrita em 2020 e 2021, neste ano, a Semana Maior da fé católica voltou a acontecer presencialmente em todos os 79 municípios que abrangem o território da Arquidiocese de Mariana.

Na avaliação do Arcebispo Metropolitano de Mariana, Dom Airton José dos Santos, tudo foi bem participativo. “A retomada foi boa. As celebrações presenciais, as procissões e demais ritos demonstram que as pessoas não sumiram. As pessoas vieram, participaram e vão continuar, certamente, daqui para frente, se Deus quiser, a participar ativamente, como sempre fizeram”, disse.

Por sua vez, o Pároco do Sagrado Coração de Jesus, em Mariana (MG), Padre Marcelo Moreira Santiago, destacou que a Semana Santa de 2022 foi um momento de reencontro com as comunidades. Ainda, ele enfatizou que a participação do povo em grande número nas celebrações e atos piedosos, tanto dentro das igrejas, quanto nas procissões e pregações nas praças públicas.

Sermão do Encontro na Praça Minas Gerais, em Mariana (MG). Foto: Thalia Gonçalves/Dacom Arquidiocese de Mariana

“Foi um momento tão belo e tão bonito, esses dias intensos celebrando o mistério da salvação, em ver o nosso povo acorrendo as celebrações e trazendo a alegria de, não só de participar, mas também da contrição dos pecados e com uma generosidade enorme em colocar os seus dons a serviço e colaborar nas iniciativas para que tudo pudesse ser feito para o louvor e glória de Deus”, afirmou Padre Marcelo.

Quem também concordou com as opiniões relatadas é o Pároco de Nossa Senhora da Conceição, em Congonhas (MG), Padre Paulo Barbosa. “Após dois anos celebrada de maneira interna, a Semana Santa reencontrou com o seu povo na área externa através das celebrações, procissões e encenações bíblicas, que é tradicional na história de Congonhas, quando os artistas preparam e fazem toda história bíblica, desde Gênesis até Jesus Cristo, além daquelas alusivas próprias à Semana Santa. Para mim, é muito gratificante encontrar com o nosso povo e rezar. Houve uma atenção muito grande também por parte de todos para que as celebrações ocorressem da melhor maneira e com a liturgia bem envolvente”, relatou.

Por fim, Padre Paulinho, como é conhecido, ressaltou que a pandemia não paralisou a fé. “Pelo contrário: é importante a gente se cuidar em nossa fé para que ela seja celebrada e enaltecida”, concluiu.

Depoimentos dos fiéis

Os mesmos sentimentos foram compartilhados pelos fiéis das 136 paróquias desta Igreja Particular que também destacaram a presença de todos durante esses dias. “Isso demonstrou que os fiéis estavam sedentos de participar das celebrações religiosas”, comentou o agente da Pastoral da Comunicação (Pascom) da Paróquia Sagrada Família, em Ouro Branco (MG), Luiz Claudio Moura do Valle.

“Foi uma verdadeira experiência de amor e resgate por parte de Deus. Durante a pandemia, a nossa paróquia viveu um momento  invertido: ela cresceu; a frequência ficou muito mais ativa nas missas. O povo, com sede de Deus, compareceu em peso, inclusive, trazendo suas famílias: crianças, idosos e pessoas com deficiência. Todos vieram para  viver a Paixão, Morte e Ressurreição do Cristo de Deus”, contou a paroquiana do Divino Espírito Santo, em Ouro Branco (MG), Thereza Cristina Bandoli Legg.

Para o paroquiano de Nossa Senhora da Luz, em Conselheiro Lafaiete (MG), Wescley Antunes Vieira, as celebrações foram abençoadas e repletas de gratidão a Deus. “Ao encerrarmos esse tempo forte da nossa Igreja que é a Semana Santa, percebemos  como o povo de Deus, estava sedento de participar desses momentos de muita fé, piedade e devoção”, pontuou.

Paróquia Nossa Senhora da Luz, em Conselheiro Lafaiete (MG) – Samuel Henrique

Já o paroquiano de Nossa Senhora da Assunção, em Barbacena (MG), Sannder Lourenço Facioli da Silva, salientou a expressão de amor pela Eucaristia, pela Paixão e Ressurreição de Cristo durante os sete dias. “Me arrepia em lembrar cada momento de vivenciar novamente essa maravilha de manifestação de nossa fé, sendo mais importante pela minha última participação como ministro, pois terminei minha provisão. Que falta estava fazendo!”, contou.

Na visão do jovem da Paróquia São Miguel Arcanjo, em Araponga (MG), Guilherme Oliveira, a volta das celebrações presenciais foi uma dádiva concedida pelo Criador. “Com isso, conseguimos vivenciar momentos únicos e extraordinários de fé e confiança nEle”, relatou.

Paróquia São Miguel Arcanjo, em Araponga (MG) – PASCOM

“Foi uma experiência de esperançar. Poder ajudar na construção das atividades dessa semana tão importante da nossa fé e reencontrar as emoções da comunidade na vivência de cada momento, proporcionou um fortalecimento na fé e na esperança de um mundo que caminha para a recuperação de um momento tão difícil”, descreveu o agente da Pascom e integrante da Pastoral da Juventude da Paróquia de Nossa Senhora dos Remédios, em Senhora dos Remédios (MG), Thiago Rocha.

Por sua vez, a paroquiana de São Gonçalo do Amarante, em Catas Altas da Noruega (MG), Elisa Cecília Dias, a retomada das atividades presenciais foi uma experiência enriquecedora. “Foram duas semanas intensas, a contar pelo Setenário das Dores, mas que, com certeza, contribuíram muito para o crescimento e amadurecimento da fé daqueles que participaram”, narrou.

“Após dois anos limitados, em razão da pandemia, o retorno da realização dos atos  litúrgicos, durante a Semana Semana, foi realizado de forma ainda cuidadosa e zelosa”, recordou a paroquiano de São José Operário, em Congonhas (MG), Maria da Paz. De acordo com ela, “as celebrações presenciais encheram os corações dos fiéis de esperança e alegria. O momento preservou, inabalável, as tradições religiosas e culturais, enriquecendo e fortalecendo a fidelidade da fé católica. A Deus rendem-se graças pela oportunidade  da participação desse momento tão rico, que recorda  a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Paróquia São José Operário, em Congonhas (MG) – Cristina Godoy

Por fim, o coordenador do figurado bíblico e diretor da encenação da Paixão de Cristo da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Conselheiro Lafaiete (MG), José Carlos Vieira, descreveu ter se emocionado ao voltar a preparar as manifestações culturais e religiosas desse tempo. “Tivemos apenas um mês para ensaiar e organizar, mas graças a Deus, tudo deu certo. Foi emocionante ter voltado às tradicionais procissões nas ruas da cidade e participar das celebrações tendo o figurado bíblico novamente representando aqueles que fazem parte do contexto da Paixão de Jesus”, concluiu.

Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Conselheiro Lafaiete (MG) – Mauro Dutra

Foto capa: Mariana Ferreira – DACOM Arquidiocese de Mariana 

Agenda