sábado

, 25 de maio de 2024

Jovens da Arquidiocese de Mariana participam da JMJ 2023

01 de agosto de 2023 Arquidiocese

Seminaristas na JMJ. Foto: Arquivo pessoal

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ 2023) já começou: teve início nesta terça-feira, 1º de agosto, o encontro dos jovens de todo o mundo com o Papa Francisco. Com o tema “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1, 39), cerca de 10 mil peregrinos do Brasil estão em Lisboa, capital de Portugal, entre os dias 1º e 06 de agosto para participar deste momento. Dentre eles, dezenas de jovens da Arquidiocese de Mariana.

Representação do Seminário São José

Intitulados “Peregrinos do amor”, um grupo de oito seminaristas do Seminário São José, de Mariana, partiram no sábado, 29 de julho, de Brasília (DF) rumo a Portugal. No dia 27, uma missa de envio foi realizada na Capela do Instituto de Teologia do Seminário, pedindo a proteção para os jovens participantes.

“Para nós, seminaristas, participar da Jornada Mundial da Juventude é uma grande oportunidade de termos contato e criar laços com jovens espalhados pelos quatro cantos do mundo. Unidos ao Santo Padre, sob a intercessão da Virgem Maria, viveremos momentos profundos de oração, reflexão e interação que, com certeza, ficaram marcados em nosso itinerário vocacional. Como jovens, nos colocamos ao lado da juventude mundial, para juntos crescermos na busca pela restauração da esperança, em um contexto marcado por incertezas e desolações, e da criação de uma civilização do amor, capaz de transformar todas as realidades através da experiência do amor de Deus”, partilhou o seminarista Mateus Lopes, 23 anos, que está cursando o 2° ano de Teologia.

Seminaristas na JMJ. Foto: Arquivo pessoal

Em preparação para esse momento há dois anos, os vocacionados realizaram diversas ações como vendas de rifas para arrecadarem fundos para custear as despesas. Para o seminarista Moisés Galinari Tôrres, 25 anos e aluno do 3°ano de Teologia, a JMJ é também uma expressão da universalidade da Igreja. “É o grande momento de renovarmos o nosso seguimento a Jesus Cristo em comunhão com toda a Igreja, sobretudo, na manifestação da comunhão com o sucessor de Pedro, hoje, Papa Francisco”, afirmou.

“Na condição de seminarista, essa JMJ é um tempo da graça de Deus, oportunidade de recordar toda a minha história de amor com o Senhor, trazendo no coração tantas pessoas que me ajudaram a descobrir o amor irresistível de Deus. É a oportunidade de renovar a fé, nutrir a esperança e fortalecer a comunhão, cultivando sempre mais o vínculo de pertença e amor à Igreja de Jesus Cristo. Só a partir desse horizonte bem edificado é que, pela graça de Deus, conseguirei prosseguir na resposta autêntica ao chamado vocacional ao sacerdócio que o próprio Senhor me concedeu”, pontuou Moisés.

Antes de chegarem à Lisboa, os peregrinos também visitaram a cidade de Fátima.

Jovens evangelizando jovens

Jovens da Comunidade Missionária Emanuel. Reprodução do Instagram.

Indo diretamente da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Congonhas (MG), 15 jovens, pertencentes à Comunidade Missionária Emanuel, iniciaram em 24 de julho sua peregrinação à JMJ, quando embarcaram em direção à Itália. No país, o grupo passou por Roma e Assis. Antes de irem à Lisboa, eles ainda conheceram a cidade de Fátima, também em Portugal.

Segundo o Membro da Comunidade Missionária Emanuel, Kelvin Maycon Assis Oliveira, 26 anos, a iniciativa do grupo para participar desse momento surgiu após uma indicação da paróquia. Para abençoar este momento, uma missa de envio, presidida pelo Pároco, Padre Paulo Barbosa, foi realizada no domingo, 23 de julho.

“Agora que está chegando o momento da Jornada, o coração acelera e começa a ‘cair a ficha’ de que é verdade. As expectativas são que tenhamos um encontro muito forte com Deus, que possamos reavivar a nossa fé e que possamos extrair da melhor forma para trazer também para nossa cidade, dando continuidade à Jornada Mundial da Juventude, porque o jovem evangeliza jovem, [como] o Papa já dizia”, disse Kelvin.

Papa Francisco: modelo e inspiração para os jovens

Participando pela primeira vez da JMJ, João Marcos Pereira, 25 anos, da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Mariana, também marca presença no evento. Membro do Grupo de Jovens Maranata, ele está em Lisboa com a amiga Tatiane Mesquita.

“Há uma alegria e uma ansiedade muito grande em poder participar da Jornada Mundial da Juventude, em Lisboa. Estar em comunhão com milhares de jovens que professam a fé católica, é um combustível para perseverar em meio às tantas adversidades que encontramos diariamente pelo caminho. É, sem sombra de dúvidas, nadar contra a correnteza. Acredito que será uma troca de experiências sublime, sobretudo, um encontro verdadeiro com Cristo”, frisou.

Para ele, o Papa Francisco é uma grande inspiração os jovens. “É um exemplo de doação e determinação. Em um de seus tão importantes e profundos discursos, ele afirma que ninguém pode ocupar o nosso lugar na história da Igreja e no mundo, e nos dá um grande incentivo de coragem para fazer aquilo que Deus sonhou”, destacou.

Cremilda, sua amiga Elza e um grupo de seminaristas da Arquidiocese em Portugal.

Também participando pela primeira vez, a Coordenadora do Grupo de Jovens da Paróquia Cristo Rei, em Ouro Preto (MG), Cremilda Aparecida Moutinho, 40 anos, e sua amiga Elza Maria Fernandes, 26 anos, da Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, em Cachoeira do Campo (MG), já estão em Lisboa para viver esse momento de graças e bênçãos.

“Tenho um sentimento de alegria, de emoção em saber que viverei pela primeira vez essa experiência bonita de estar no meio de tantos jovens, de todos os lugares, sendo o rosto de Cristo, levando amor, partilhando experiências, conhecendo pessoas. Agora não vou mais ouvir falar da JMJ vou simplesmente viver estes dias. Fico pensando também no momento que teremos com o nosso querido Papa Francisco, ao mesmo tempo, fico refletindo a letra do hino da Jornada que é intenso e lindo”, enfatizou Cremilda, citando ainda o trecho do hino que a marcou: “De todo o mundo para este lugar. Partimos, voamos, chegamos aqui. Com Maria, ensaiamos um sim. Queremos servir, fazer a vontade do Pai, nosso Pai”.

Prontos para servir

Esta é a terceira vez que Ana Márcia participa da JMJ. Foto: Arquivo pessoal

Além de marcarem presença como peregrinos, jovens da Arquidiocese de Mariana estão também em Lisboa para colaborar nos trabalhos internos da JMJ como voluntários, como é o caso de Ana Márcia Henriques Coelho, 23 anos, da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima de Viçosa e integrante da Fraternidade Pequena Via no vínculo de aliança.

Em Lisboa desde o último dia 20, Ana Márcia está auxiliando no Festival da Juventude, na área de cinema, da Jornada. Participando pela terceira vez da JMJ, antes esteve na da Polônia (2016) e na do Panamá (2019), ela contou que o que a motivou participar da edição deste ano, mesmo com os desafios impostos pela pandemia e questões financeiras, foi o tema de 2023, que é uma continuidade ao vivido em 2019: “Eis a serva do Senhor; Faça-se em mim segundo a Vossa Palavra” (Lc 1,38).

“Eu vivi a Jornada [de 2019] muito forte. Foi uma coisa que realmente me tocou e essa jornada é uma continuação dela. […] Então, eu senti realmente esse chamado de Deus. Se eu fiz aquele sim no Panamá, agora é o momento de levantar e partir. E uma coisa que toca muito que não é só partir, é partiu apressadamente [o lema da JMJ 2023]. Eu fiz o meu possível para estar aqui, mesmo não tendo me preparado durante muito tempo até por causa da pandemia. […] Mas eu quis partir apressadamente”, contou.

Para ela, ser voluntária é também uma forma de retribuir tudo o que já recebeu da JMJ e que transformou a sua vida. “Quando o nosso coração está em chamas, os nossos pés não veem a hora de saberem para aonde vão, quais são os próximos passos. A esperança e a alegria inundam e a gente só quer saber como vai levar isso para o próximo, como que a gente pode testemunhar isso para os outros, como a gente pode fazer com que mais pessoas experimentem aquilo que a gente experimentou. Então, é isto: ‘corações ardentes, pés a caminho’. É isso também que a Jornada se propõe a fazer: encher muitos corações para que depois cada um, em seu lugar no mundo, possa sair espalhando a Palavra de Deus”, opinou Ana Márcia.

Por fim, Ana Márcia acredita que a JMJ 2023 é realizada em um momento muito propício, após a pandemia e no contexto de guerra no continente europeu (Rússia e Ucrânia), para reavivar a juventude. “Minha expectativa de que todo mundo saia é renovado daqui, com novo ânimo, com muita alegria”, ponderou.

Além de Ana Márcia, a jovem Maria Luíza, da Paróquia Sagrada Família, em Ouro Branco (MG), está na JMJ como voluntária.

Ana Márcia e grupo de voluntários em gesto missionário em Portugal. Foto: Arquivo Pessoal

Confira a programação do Papa em Lisboa AQUI

Veja também:

Jornada Mundial da Juventude é a intenção de oração do Papa Francisco para o mês de agosto