quarta-feira

, 28 de fevereiro de 2024

Mês da Bíblia 2023 convida a “vestir-se da nova humanidade”

14 de setembro de 2023 Arquidiocese

Se não fosse a Bíblia em minha vida, com certeza, eu já teria perecido. Como Deus é bom! Deu-nos a Si próprio, feito Palavra capaz de virar Eucaristia.

Todos os anos, por ocasião do Mês da Bíblia, ocorre a escolha de um dos Livros Sagrados como tema. Tarefa executada pela Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e as instituições bíblicas, dentre elas, o Serviço de Animação Bíblica, (SAB/Paulinas). Neste ano, está em pauta a “Carta aos Efésios”, tendo como lema “Vestir-se da Nova Humanidade” (Ef 4,24).

Esta frase é de uma exortação da própria carta, na qual o autor apresenta aos batizados em que consiste assumir a vida nova após a adesão a Cristo e ao Batismo, sobretudo em um contexto não cristão, onde viviam, provavelmente, os destinatários dessa Carta. O objetivo é que cada fiel cristão tenha um encontro pessoal e comunitário com a Palavra de Deus, a partir da Carta aos Efésios. Trata-se de uma experiência que pode ser realizada de forma individual, em grupo, na paróquia, pastoral ou movimento.

Deus nos deu a Bíblia para o amoroso diálogo nosso com Ele. É bom falar com Deus! É bom ouvir Deus nos falando, pois Suas Palavras são Espírito e Vida para nós.

É sempre bom recordar que a memória litúrgica de São Jerônimo, celebrada em 30 de setembro, fez, deste mês, o da Bíblia. Possuidor de vastíssima cultura literária e bíblica, recebeu do Papa Dâmaso a missão de traduzir a Bíblia do grego e do hebraico para o latim (Vulgata), língua mais usada na época. É dele a assertiva: “Ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo, e o que não conhece as Escrituras não conhece o poder de Deus nem sua sabedoria”.

É tolice de nossa parte quando não saboreamos a Sagrada Escritura. Imaginemo-nos doentes e eis que acertamos com o medicamento. Ficamos aliviados. Imaginemo-nos famintos e eis que encontramos algum alimento. Imaginemo-nos com frio e eis que tomamos um bom agasalho. Imaginemo-nos perdidos no caminho e eis que vislumbramos por onde deveremos seguir. Imaginemo-nos sozinhos, sentindo a dor de não saber com quem contar e eis que surge alguém e se mostra fraterno. Imaginemo-nos aflitos, ansiosos na busca de uma solução e eis que, de repente, surge uma luz. Essas e quaisquer outras situações podem nos fazer pensar na Bíblia.

A Palavra de Deus é remédio para os males, atinge a existência humana; o Pão espiritual que nutre nosso ser; o agasalho certeiro, capaz de aquecer-nos interiormente; a seta a nos apontar por onde seguir na estrada da vida; a expressão da presença de Deus que não deixa ninguém solitário; a resposta e alívio para todos os nossos anseios e aflições.

Diante de Deus, o mistério de nossa vida se torna pleno de sentido. Ao nos colocar em sua presença, pomo-nos diante de quem nos fala sempre. De muitos modos Ele fala a todos os seres humanos. Privilegiado é o lugar da Bíblia em nosso colóquio com o Senhor.

Percorrendo cada um de seus Livros, do Antigo ou do Novo Testamento, ali encontramos sempre a experiência da pessoa humana com o seu Criador, Salvador e Santificador.

Quando salmodiamos, 150 horizontes de um profundo diálogo orante nos abrem. O Povo de Israel os escreveu com a própria vida. Neles encontramos o lugar de nossas alegrias, dores, esperanças, tristezas e todos os sentimentos que perpassam nossa vida.

Nos Livros Históricos, Sapienciais e Proféticos deparamos com a humanidade em busca dos indispensáveis tesouros para a alma. Trata-se da raiz, onde está latente o que no Novo Testamento está patente, com o mistério da Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição do Verbo Divino.

Os Evangelhos, Atos, as Cartas e o Apocalipse fazem resplandecer a serena luminosidade da grande proposta do Reino. Plena em Jesus, acolhido por Maria e pelas primeiras Comunidades, o clarão da Palavra se estende a todos os homens e mulheres de boa vontade que aceitarem o Projeto de Amor que o Pai nos apresenta em Jesus, com a força de Seu Espírito Santo.

Texto: Padre Paulo Dionê Quintão – Pároco de Santa Rita de Cássia, em Viçosa (MG)

Imagem: Reprodução da internet