domingo

, 16 de junho de 2024

Missa em Bento Rodrigues marcou os 7 anos do rompimento da Barragem de Fundão

10 de novembro de 2022 Arquidiocese

05 de novembro de 2015. Uma data para não se esquecer e que foi lembrada no último sábado, dia 05, quando se completaram sete anos do rompimento da Barragem de Fundão. Na data, o Padre Marcelo Moreira Santiago, responsável por atender à Comunidade de Bento Rodrigues, presidiu uma missa em memória na Igreja de Nossa Senhora das Mercês.

A celebração contou com a presença da população atingidas, movimentos sociais, representantes da Cáritas Minas Gerais e autoridades políticas locais.

Confira a fala do Padre Marcelo na celebração:

“Renovo a saudação amiga fraterna a todos e todas. Obrigado pela sua presença. Somos, aqui, pessoas de Bento Rodrigues que foram atingidos e atingidas diretamente pelo rompimento da barragem do Fundão; gente que veio, em mais esse momento, manifestar solidariedade para com os atingidos e atingidas.

Muitos aqui representam iniciativas, instituições e organismos que abraçaram esta causa na defesa por justiça, pela reparação integral, pela regeneração da Bacia do Rio doce. São sete anos de luta de dor e de enfrentamento. Queremos aqui trazer também a saudação do nosso Arcebispo, Airton José dos Santos, e a sua bênção.  Fazemos memória, meu irmão, minha irmã, nessa celebração das 19 vidas ceifadas com o rompimento dessa barragem e de uma criança que estava em gestação.

Queremos dizer que não vamos esquecer dessa tragédia, infelizmente, construída por mãos humanas. Renovamos aqui nossa fé em Deus para perseverarmos e nos fortalecermos das lutas desde Bento Rodrigues até a foz do Rio Doce, em Regência (ES), em prol da vida, da justiça, da reparação de perdas e danos, da soberania popular nos territórios atingidos pela mineração predatória.

Lamentamos, profundamente, que passados sete anos mais de uma centena de pessoas, só em nossa região, morreram sem ver a reparação integral concluída; que muitos ainda não tenham sido reconhecidos pelas empresas e pela Fundação Renova como atingidos e atingidas; que muitos, nos acertos já realizados, acabaram não sendo contemplados em todos os seus direitos; que as famílias não tenham sido devidamente assentadas em suas novas casas e, sobretudo, em relação a Bento Rodrigues querem que algumas famílias já se transfiram para os seus novos imóveis quando toda a área ainda é um canteiro de obra, gerando insegurança e trazendo muitos perigos.

Saudamos a todos e todas que abraçam esta causa. Graças a organização dos atingidos e atingidas, aos grupos, instituições e organismos que se somam a eles, alcançamos muitas vitórias nesses sete anos. Vitórias como de construir uma matriz de danos para uma reparação mais justa e integral; de ampliar, em nome da verdade, o número dos atingidos em nossas comunidades; de insistir junto aos órgãos públicos, sobretudo de justiça, que se defenda os direitos das populações atingidas; que o dinheiro e o poder das empresas não falem mais alto que o bem comum, o valor da vida – a vida humana e ambiental, em toda a extensão da bacia do Rio Doce.

A Palavra de Deus nos ajuda neste dia nos ensinando que precisamos sempre mais fortalecer a nossa união; que devemos ter mais compaixão diante das necessidades uns dos outros.  Saibamos, meu irmão e minha irmã, partilhar o que temos e somos, sobretudo, diante das necessidades dos irmãos e irmãs mais necessitados e empobrecidos. Também Ela nos ajuda aqui hoje a recordar que a união faz a força e que ninguém pode saltar a mão de ninguém. É preciso confiar na graça de Deus e colaborar fazendo a nossa parte a serviço da vida e da esperança e por justiça, direito e paz.

Já no Evangelho, Jesus nos convoca a sermos bons administradores dos bens deste mundo. Ele nos alerta para não fazer do dinheiro um deus. O dinheiro deve ser um meio não um fim; um meio que nos aproxima de Deus e dos irmãos e irmãs. Este tem sido o ‘motor’ das nossas lutas. Mais importante do que o dinheiro é a vida e a economia deve estar a serviço da vida e não do lucro; tem que haver justiça social, inclusão das pessoas, atenção aos mais pobres e sustentabilidade verdadeira do planeta. Infelizmente não é esse o discurso do mundo, da economia, não é essa a prática que nós estamos vendo das grandes empresas e mineradoras.

Que Deus nos dê perseverança em nossas lutas e missão. Possa nos iluminar para continuarmos buscando o que é justo, bom e certo no compromisso com a vida. Que sua bênção nos acompanhe e nos permita colher bons frutos em todas as nossas iniciativas. Sejamos perseverantes nessa missão. Não estamos sozinhos, a graça de Deus nos acompanha”. (Padre Marcelo Moreira Santiago)

Fotos: Wan Campos/Cáritas Minas Gerais

Veja também:

Em artigo, Dom Vicente lembra dos 7 anos do rompimento da Barragem de Fundão e pede justiça