sábado

, 25 de maio de 2024

Missões marcam os preparativos para a festa de Nossa Senhora de Nazaré, em Santa Rita Durão

04 de setembro de 2023 Arquidiocese

A Paróquia de Nossa Senhora de Nazaré, em Santa Rita Durão (MG), acolheu, dos dias 25 a 27 de agosto, 15 seminaristas da Etapa do Propedêutico, do Seminário São José, para a realização da missão vocacional em preparação à festa de sua padroeira, a realizar-se entre os dias 01 a 10 de setembro. O Diretor dessa etapa, Padre Gilsimar Tavares Vieira também esteve presente.

Os jovens seminaristas foram acolhidos por membros da comunidade e o seu pároco, Padre Bruno Gomes, na sexta-feira, dia 25, quando puderam conhecer um pouco sobre a caminhada da paróquia, bem como elementos particulares da Igreja Matriz e do distrito de Santa Rita Durão. Juntamente com a comunidade, celebraram a Eucaristia e foram direcionados para a casa das famílias que os acolheram durante a missão.

Com uma programação intensa, os seminaristas, acompanhados por leigos da comunidade, visitaram às famílias, com o intuito de ouvir, acolher e partilhar a Palavra de Deus, sendo uma presença da Igreja. Momento de oração do ofício das comunidades marcou as manhãs de sábado e domingo, quando todos se reuniam para iniciar as atividades.

Para além das visitas, a missão foi também uma oportunidade de encontro com as crianças da catequese, com muita música, dinâmica, teatro e oração.

Ainda no sábado, dia 26, após a Eucaristia, presidida pelo Padre Gilsimar, o encontro foi de modo especial com os jovens com a promoção de um luau vocacional, que teve por temática a vocação de Pedro (Cf Lc 5,1-11). Foi um momento de louvor, animação, partilha da Palavra de Deus. Ao final, alguns dos seminaristas presentes deram seus testemunhos sobre o chamado vocacional.

Na manhã de domingo, outra região do distrito recebeu a visita dos seminaristas, que com grande empenho e entusiasmo batiam de porta em porta, indo ao encontro dos irmãos. Nem mesmo a chuva foi capaz de apagar o ardor presente em seus corações e impedi-los de se colocarem a caminho, como inspira o 3º Ano Vocacional no Brasil.

Encerrando o final de semana de missão, todos foram convidados a participar da “Hora Santa” na Igreja Matriz, rezando, em agosto, de modo especial, por todas as vocações, sacerdotal, matrimonial, religiosa e laical, pedindo que Deus suscite na comunidade paroquial homens e mulheres “capazes de sonhar e entregar, com generosidade e vigor, a serviço do Reino, em vossa Igreja e no mundo.”

Rendendo graças a Deus pela missão realizada, as atividades foram concluídas com a Santa Missa e um momento de partilha e confraternização com toda a comunidade.

Igreja missionária em saída

“A Igreja é por essência missionária (DIC)”, definiu o seminarista Diêgo. Para ele, a oportunidade da missão foi um momento de muita graça e aprendizagem. “Com certeza, nós aprendemos muito com o povo, com o Pároco, e com tantas experiências que experimentamos”, disse, ressaltando ainda que foi verdadeiramente um tempo da graça de Deus, um Kairós em sua vida.

Diêgo também destacou que o que mais lhe marcou na missão foi a “simplicidade do povo: muito simples, muito humilde, no entanto, de um coração imenso, um coração acolhedor, que soube acolher, escutar e abrir o coração para escutar a Palavra de Deus”.

O seminarista Andrey também partilhou sua experiência missionária como algo muito bom, um momento de reafirmação da resposta ao chamado do Senhor. Ele também ressaltou que a fé do povo, fortalece e impulsiona no seguimento do caminho de discernimento da vocação, destacando a fé como algo marcante. Ainda, ele pontuou a importância da participação eclesial nas atividades comunitárias. “Por um lado, um povo orante e por outro um povo que ainda precisa de orientações para caminhar bem”, analisou. “Voltamos da missão mais convictos em querer sermos padres, em responder esse chamado que o Senhor nos faz”, e assim poder ajudar o povo que necessita de sacerdotes em seu meio.

Para a Roseli, que acolheu e acompanhou os seminaristas nas visitas, a missão foi uma grande oportunidade de conhecer verdadeiramente a comunidade, de estar com aquelas pessoas que necessitam de uma visita, de atenção, de carinho e dessa presença do amor de Deus que os seminaristas puderam levar.

Ela também enfatizou o grande amor com que foi realizada a missão e a acolhida das pessoas que paravam os seus afazeres para partilhar a Palavra e a vida. Segundo a catequista Roseli, a marca da missão foi poder estar com tantas pessoas que se sentem carentes de amor, pois estão sozinhas e não tem nem mesmo alguém para partilhar ou ouvir.

“As visitas trouxeram um consolo e um carinho especial para estas pessoas que sofrem”, afirmou. “Nós não perdemos tempo, nós ganhamos, pois foi uma experiência de amor, levar Deus”, finalizou Roseli.

Texto e fotos: Pascom da Paróquia Nossa Senhora de Nazaré