sexta-feira

, 24 de maio de 2024

Movimento de Cristandade dos Cursilhos promove 118º Cursilho Feminino em Congonhas

09 de maio de 2024 Arquidiocese

O Movimento de Cursilhos de Cristandade (MCC) promoveu entre os dias 25 e 28 de abril o 118º Cursilho Feminino da Arquidiocese de Mariana. Realizado na Casa de Encontro Bom Jesus, na cidade de Congonhas (MG), o curso teve a participação de quem 38 cursilhistas, vindas de várias cidades que compõem a Arquidiocese.

Além das participantes, 26 pessoas se juntaram ao grupo como Equipe de Trabalho, evidenciando a união e a comunhão do Movimento, de grande expressão nesta Igreja Particular.

Segundo o Assessor Arquidiocesano do MCC e Diretor Espiritual do Encontro, Padre Leonardo Sérgio Rosa da Silva, os Cursilhos são, de fato, uma escola formativa cristã. “Mas não apenas uma formação intelectual, é uma formação que visa o essencial: o encontro pessoal com a pessoa de Jesus Cristo e o modo de segui-lo a partir de seus ensinamentos e da vida na Igreja”, explicou.

Para ele, isso proporciona aos participantes um momento especial em estar com Jesus Cristo em sua Igreja e junto aos irmãos e irmãs. “Vale a pena conhecer, vale a pena fazer parte, participar do Encontro, pois é um movimento que produz muitos frutos na vida da Igreja, especialmente, na nossa Igreja Particular de Mariana”, reforçou Padre Leonardo.

Na avaliação da Coordenadora Arquidiocesana do MCC, Edina Flisch, o 118º Cursilho Feminino foi uma ocasião de muitas bênçãos. “Foram momentos de muita graça de Deus, aprendizagem, oração, revisão de vida e convívio fraterno. Que Deus possa nos iluminar sempre em nossa missão de evangelizar nossos diversos ambientes, com muito ardor missionário e perseverança. Decolores! Viva a vida!”, afirmou.

“Sabemos que a força e a continuidade do MCC no mundo é o Cursilho. Essa é, portanto, a base do Movimento”, assim definiu Gisa de Oliveira Brigolini Porfirio, da Paróquia Sant’Ana em Carandaí (MG), sobre a importância do encontro. Durante os dias de formação, ela colaborou na realização servindo na Equipe de Trabalho.

Para ela, após a conclusão, o que ficou foi a sensação de dever cumprindo. “Parabéns a Coordenadora que soube, com muita dedicação, trabalhar a Equipe, para que tudo ocorresse bem, como ocorreu. Grata por tudo, peço a intercessão do nosso Patrono São Paulo Apóstolo, para que possamos estar sempre disponíveis ao chamado a fim de fazermos com que Jesus Cristo seja mais conhecido e amado por todos”, disse.

Na avaliação da cursilhista Adelizete Givisiez marcou sua vida. “O Cursilho, para mim, foi um divisor, um conhecimento de mim mesma, de Deus e da Igreja. Um movimento que te possibilita empregar os valores de Cristo nas atividades diárias, seja em casa ou no trabalho”, declarou.

Texto: Ana Paula Mendes dos Santos e Edina Flisch

Fotos: Coordenação Cursilhos