sábado

, 20 de abril de 2024

“O Seminário é o tempo de ser verdadeiros, deixando cair as máscaras”, afirma Papa Francisco

28 de março de 2023 Igreja no Mundo

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta segunda-feira, 27 de março, na Sala do Consistório, no Vaticano, os bispos, superiores, formadores e seminaristas da Calábria por ocasião de sua peregrinação a Roma.

Depois de saudar todos os presentes, o Papa se deteve na pergunta que Jesus faz aos discípulos: «O que vocês estão procurando?» “Às vezes procuramos uma “receita” fácil, mas Jesus começa com uma pergunta que nos convida a olhar para dentro, para verificar as razões do nosso caminho”, disse o Pontífice. “A vocação de vocês é caminhar com o Senhor, o amor do Senhor. Tomem cuidado para não caírem no carreirismo que é uma praga, o carreirismo é uma das formas mais feias de mundanismo que nós clérigos podemos ter”, sublinhou.

É ruim quando se perde o sentido sacerdotal

A seguir, o Papa perguntou aos seminaristas: «O que vocês estão procurando? Qual é o desejo que os levou a sair ao encontro do Senhor e a segui-lo no caminho do sacerdócio? O que vocês procuram no Seminário? E o que procuram no sacerdócio? “Devemos nos perguntar, porque às vezes acontece que “por trás das aparências de religiosidade e até de amor à Igreja”, na verdade, buscamos «a glória humana e o bem-estar pessoal»”, disse Francisco, ressaltando que “é muito triste quando se encontra sacerdotes que são funcionários, que se esqueceram de ser pastores do povo e se tornaram clérigos de Estado. É ruim quando se perde o sentido sacerdotal”.

O seminário é o tempo de ser verdadeiros com nós mesmos, deixando cair as máscaras, artimanhas e aparências. Neste processo de discernimento, deixem que o Senhor trabalhe em vocês, que os fará pastores segundo o seu coração porque o contrário é usar máscara, maquiar-se, aparecer é coisa de funcionários, não de pastores do povo, mas de clérigos de Estado.

O sacerdote não é um pastor solitário

A seguir, Francisco fez a mesma pergunta de Jesus aos bispos: “O que vocês estão procurando? O que desejam para o futuro da sua terra, com que Igreja vocês sonham? Que tipo de padre vocês imaginam para o seu povo? Vocês são responsáveis pela formação desses jovens.”

Este discernimento é mais necessário hoje do que nunca, porque no tempo em que um certo cristianismo do passado se desvaneceu, abriu-se diante de nós um novo tempo eclesial, que exigiu e ainda exige uma reflexão também sobre a figura e o ministério do sacerdote. Não podemos mais pensá-lo como um pastor solitário, fechado no recinto paroquial; é preciso unir forças e partilhar ideias, para enfrentar alguns desafios pastorais que já são transversais a todas as Igrejas diocesanas de uma Região. Penso na evangelização dos jovens, nos percursos de iniciação cristã, na piedade popular, que necessita de escolhas unitárias inspiradas no Evangelho. Penso também nas exigências da caridade e na promoção da cultura da legalidade.

“Tudo isso convida a formar sacerdotes que, vindos de seus próprios contextos, saibam cultivar uma visão comum do território e tenham uma formação humana, espiritual e teológica unitária”, sublinhou o Papa, pedindo-lhes para “canalizar todas as energias humanas, espirituais e teológicas num único Seminário“. “Não se trata de uma escolha logística ou meramente numérica, mas destinada a amadurecer juntos uma visão eclesial e um horizonte de vida sacerdotal, em vez de dispersar forças multiplicando os lugares de formação e mantendo pequenas realidades com apenas alguns seminaristas”.

O Senhor nos pede uma atitude de vigilância

Segundo o Papa, “um seminário com 4, 5, 10 pessoas não é seminário, não se forma seminaristas; um seminário com 100, anônimo, não forma seminaristas. São necessárias pequenas comunidades também dentro de um grande seminário ou um seminário com medida humana que seja o reflexo do colégio presbiteral. É um discernimento que não é fácil fazer, não é fácil. Mas tem que ser feito e decisões têm que ser tomadas sobre isso. Não será Roma que vai lhes dizer o que fazer, não: porque vocês têm o carisma. Nós damos ideias, orientações, conselhos, mas vocês têm o carisma, vocês têm o Espírito Santo para isso. Se Roma começasse a tomar decisões, seria uma bofetada no Espírito Santo, que age nas Igrejas particulares.

Segundo o Papa, “este processo está sendo iniciado em muitas partes do mundo e é natural que haja alguma resistência e algum esforço em dar este passo”. “Mas recordemos que o apego à nossa história e aos lugares significativos da nossa tradição não deve impedir a novidade do Espírito de traçar caminhos a seguir, sobretudo quando o caminho da Igreja o exige. O Senhor nos pede uma atitude de vigilância, para que não nos aconteça “como nos dias de Noé”, quando as pessoas, preocupadas com as coisas habituais, não notaram que chegava o dilúvio. Precisamos de olhos abertos e coração atento para captar os sinais dos tempos e olhar adiante”, concluiu Francisco.

Foto: Vatican Media

Agenda