segunda-feira

, 04 de março de 2024

“O sentido espiritual do Natal ocupa o coração da vida cristã”, afirma Padre Lucas Muniz

20 de dezembro de 2023 Arquidiocese

Na próxima segunda-feira, 25 de dezembro, a Igreja celebra a primeira vinda do Senhor: o Natal. Mas qual é o seu sentido espiritual?

Em artigo, o Diretor Espiritual do Seminário São José, Padre Lucas Muniz Alberto, explica o sentido do Natal e convida a cada um de nós a preparar o coração para viver este tempo de renascimento, esperança, paz e amor. 

O sentido espiritual do Natal

“O Verbo se fez carne e habitou entre nós (Jo 1, 1)”. Com essas palavras, inauguramos o tempo da graça e da salvação para a humanidade. No Verbo que se faz criança está a esperança de todo ser humano, Ele que vem para iluminar a todos (cf. Jo 1, 9). Faz-se necessário acolhermos esse grande dom do Pai, aderindo à perene novidade que Jesus vem nos trazer. Diante do grande mistério da Encarnação do Verbo, precisamos a todo instante resgatar o seu sentido autêntico, mergulhando sempre mais no essencial desse momento central da história da salvação. 

Quando pensamos no Natal, podemos, contaminados pelas ideologias comerciais e pelas tradições que a sociedade vai abraçando, esvaziá-lo de seu autêntico sentido e reduzi-lo a um feriado ou momento de confraternização com abundância de comida, bebida e troca de presentes. O Natal é muito mais: é a festa da esperança, do amor e da misericórdia de Deus por seu povo!

Na vida litúrgica da Igreja, o Natal é preparado pelo tempo do Advento e celebrado até a festa do Batismo do Senhor, recordando os principais acontecimentos da infância de Jesus. O Advento é marcado pela alegre expectativa da chegada do Salvador. A Igreja retoma nas profecias do Antigo Testamento as promessas do envio do Messias para salvar e libertar o povo de Israel e toda a humanidade. Vê-se a grande necessidade de conversão para preparar o coração para a chegada do Senhor que não somente nos visita, mas vem habitar entre nós. 

O Natal acontece nos corações que, disponíveis, se colocam a acolher a salvação. Todos os aparatos exteriores devem ser expressão da feliz expectativa pela vinda do Salvador, mas não podem ser contemplados como se fossem a sua essência. Para compreendermos bem a espiritualidade do Natal precisamos de três atitudes fundamentais: acolhida, humildade e gratidão.

O Natal é autêntico quando Jesus Cristo é acolhido nos corações. O Verbo se encarna no ventre imaculado de Maria para salvar a cada ser humano da condenação do pecado e da morte eterna. Sem a acolhida e a permissão para que o Verbo se encarne em nossa existência, sem experienciarmos a força salvadora do Senhor, sem a nossa adesão, Cristo não nascerá em nós. Ele veio para iluminar a todo ser humano, mas nem todos o acolheram (cf. Jo 1, 11). 

Acolher o Verbo em nós significa termos a mesma disponibilidade de Maria, que diz sim ao projeto de Deus para sua vida; ter a coragem de José em acolher a missão que Deus lhe confiara de, na terra, ser o guardião do Salvador; requer de nós uma constante saída de nós mesmos e a renúncia das nossas vontades para abraçar o querer de Deus. Significa, por fim, o acolhermos em todos os modos de sua presença entre nós: na Eucaristia, na Palavra e nos irmãos e irmãs, especialmente, nos mais pobres.

Outra atitude fundamental é a humildade. Sem essa disposição do coração, que nos faz conscientes de quem somos e o tanto que de Deus precisamos, não vivenciaremos a riqueza desse tempo. A humildade é a porta pela qual acessamos o coração do Natal, porque é revestido de humildade que o Senhor vem a nós! Ele, o Todo-poderoso, se “reveste da nossa humanidade” (cf. Fl 2, 7), escolhe o caminho da simplicidade e não o do espetáculo. Jesus nasce num local de extrema pobreza: o presépio, porque não havia lugar na hospedaria (Lc 2, 7). Desde o início, Jesus Cristo anuncia que o seu caminho é da humildade e da pequenez. Somente despidos de nossas vaidades, orgulhos, disputas por poder, ganâncias e ambições desmedidas seremos capazes de experimentar o verdadeiro Natal. 

A terceira atitude necessária é a gratidão. O Natal revela o infinito amor de Deus por nós, que mesmo diante das constantes infidelidades de seu povo não deixa de amá-lo e de querer a sua salvação! É Deus quem nos dá o verdadeiro e melhor presente que é o seu único Filho: Jesus Cristo. Na experiência pessoal da gratidão, funde-se o encontro de Deus com sua criatura e aí acontece a salvação. Que saibamos agradecer o amor, a misericórdia, a ternura, a compaixão, a solidariedade de Deus para nós manifestada naquela pequenina criança que “chora entre as palhas”. Diante da gratidão nasce um compromisso de fidelidade, de abraçar o caminho novo apresentado por Jesus, na constante atenção à sua Palavra, no nosso seguimento de discípulos-missionários. 

Trazendo essas três atitudes interiores, seremos capazes de viver o Natal em seu mistério e importância para a vida cristã. Somos convidados a nos preparar para a festa da Salvação, primeiramente, pela participação ativa na Liturgia, nas Celebrações Eucarísticas, realizando a Leitura orante da Palavra de Deus, passo a passo rumo à Solenidade do Nascimento do Senhor, por meio de uma consciente celebração do sacramento da Reconciliação. 

O sentido espiritual do Natal ocupa o coração da vida cristã. Além disso, marca o início de um novo tempo, o cumprimento de todas as promessas de Deus. Não se trata de mais um Natal, mas é o Natal! É no hoje de nossa existência que Jesus nasce e atualiza todo o mistério de vida e salvação.

Vivamos na fé e na alegria o Natal do Senhor, a fim de que não seja mais um feriado ou mero dia de festa, mas seja, de fato, graça de Deus para todos nós, dia de vida e salvação e se estenda por todos os dias de nossa existência, iluminando a vida de todos que de nós se aproximarem!

Citações Bíblicas: Bíblia tradução CNBB.  Edições CNBB, Brasília, 2018.

Artigo do Padre Lucas Muniz Alberto, publicamente originalmente na edição nº 329 do Jornal Pastoral.

Leia os demais artigos do Jornal Pastoral AQUI

Imagem: Jonas Reis

Agenda