quarta-feira

, 29 de novembro de 2023

Papa aos jovens: usem as redes sociais para dividir uma palavra de esperança todos os dias

14 de novembro de 2023 Igreja no Mundo

Sala de Imprensa da Santa divulgou nesta terça-feira, 14 de novembro, a mensagem do Papa Francisco para a XXXVIII Jornada Mundial da Juventude. Celebrada nas Igrejas particulares em 26 de novembro, Solenidade de Cristo Rei, neste ano, o pontífice convida os jovens a aprofundar o significado da esperança cristã e a testemunhar alegremente que Cristo está vivo.

A «alegria na esperança» (Rm 12, 12) é uma exortação de São Paulo à comunidade de Roma que “deriva do encontro com Cristo”. Para os jovens, é um tempo propício do acolhimento de Deus, já que é alimentado pelas relações com amigos, experiências culturais, conhecimentos científicos e iniciativas fraternas, escreveu o Pontífice, ao alertar, porém, para os “dramas da humanidade, sobretudo do sofrimento dos inocentes” vividos atualmente:

“Contudo vivemos num tempo em que para muitos, mesmo jovens, a esperança parece ser a grande ausente. Infelizmente muitos dos vossos coetâneos, que vivem experiências de guerra, violência, bullying e várias formas de mal-estar, veem-se afligidos pelo desespero, o medo e a depressão. Sentem-se como que encerrados numa prisão escura, incapazes de ver os raios do sol. Demonstra-o dramaticamente a elevada taxa de suicídio entre os jovens de vários países. Em semelhante contexto, como se pode experimentar a alegria e a esperança, de que fala São Paulo?”

“Uma parte da resposta de Deus”, antecipou o Papa, podemos ser nós, fazendo “nascer a alegria e a esperança, mesmo onde parece impossível”. Foi então que Francisco buscou a imagem do filme “A vida é bela”, de Roberto Benigni, que retrata como um jovem pai consegue, “com delicadeza e imaginação, transformar a dura realidade” dos horrores da Segunda Guerra Mundial e do trágico cenário dos campos de concentração, ao proteger o filho com «olhos de esperança». Como acontece na vida de muitos Santos, continuou Francisco, ao citar alguns santos que foram “testemunhas de esperança mesmo no meio da maldade humana mais cruel”, como São Maximiliano Maria Kolbe e Santa Josefina Bakhita.

O Pontífice também trouxe o poema do poeta francês Charles Péguy para ilustrar “o caráter humilde”, mas fundalmental da esperança, ao descrever “as três virtudes teologais – fé, esperança e caridade – como se fossem três irmãs que caminham juntas: «A pequena esperança avança no meio de suas duas irmãs grandes» (O pórtico do mistério da segunda virtude, Milão 1978, 17-19)”.

Outra imagem vem através do próprio testemunho cristão ao recordar do Tríduo Pascal: “o Sábado Santo é o dia da esperança. Situado entre a Sexta-Feira Santa e o Domingo de Páscoa, é como um meio-termo entre o desespero dos discípulos e a sua alegria pascal”. A própria Virgem Maria, escreveu o Papa, é a esperança cristã radicada no amor e na fé ao permanecer “forte aos pés da cruz de Jesus, certa de que estava próximo o «bom êxito»”: “Maria é a mulher da esperança, a Mãe da esperança”, pois “preenche o silêncio do Sábado Santo com uma amorosa expectativa cheia de esperança, incutindo nos discípulos a certeza de que Jesus venceria a morte e que o mal não seria a última palavra”.

“A esperança cristã não é negação da dor nem da morte, mas celebração do amor de Cristo Ressuscitado que está sempre connosco, mesmo quando parece distante.”

Como alimentar a esperança?

Para alimentar essa esperança, o Papa Francisco indicou percursos práticos: o primeiro, a oração. Rezando, escreveu ele, “mantemos acesa a centelha da esperança”, mesmo quando tudo se apresenta cinzento:

“Queridos jovens, quando o nevoeiro espesso do medo, da dúvida e da opressão vos envolve e já não conseguis ver o sol, embocai o caminho da oração. Pois, «quando já ninguém me escuta, Deus ainda me ouve» (BENTO XVI, Carta enc. Spe salvi, 32). Reservemos diariamente o tempo para descansar em Deus, face às ansiedades que nos assaltam: «Só em Deus descansa a minha alma; d’Ele vem a minha esperança» (Sal 62, 6).”

A esperança também é alimentada pelas opções quotidianas, acrescentou o Papa, convidando os jovens a escolher atitudes “muito concretas na vida de cada dia”:

“Exorto-vos a escolher um estilo de vida baseado na esperança. Dou um exemplo: nas redes sociais, parece mais fácil compartilhar notícias más do que notícias de esperança. Assim deixo-vos uma proposta concreta: tentai compartilhar cada dia uma palavra de esperança. Tornai-vos semeadores de esperança na vida dos vossos amigos e de quantos vos rodeiam. Com efeito, «a esperança é humilde e é uma virtude que se trabalha – por assim dizer – todos os dias (…). Todos os dias é preciso lembrar-nos que temos o penhor, que é o Espírito e que trabalha em nós através de pequenas coisas» (Francisco, Meditação matutina, 29/X/2019).”

Essa esperança, que é Cristo e ilumina a nossa vida, disse Francisco, também pode se tornar “uma pequena lanterna para os outros”, assim como foram os discípulos de Jesus, partilhando a graça recebida. O Papa finalizou a mensagem convidando os jovens a não ter medo de “partilhar com todos a esperança e a alegria de Cristo Ressuscitado”.

“A esperança cristã, não a podemos guardar para nós, como um belo sentimento, visto que se destina a todos. Aproximai-vos em particular dos vossos amigos que talvez aparentemente sorriam, mas por dentro choram, carentes de esperança. Não vos deixeis contagiar pela indiferença e pelo individualismo: permanecei abertos como canais por onde a esperança de Jesus possa fluir e difundir-se nos ambientes onde viveis”.

Junto com o tema já escolhido pelo Pontífice para 2024, «Aqueles que esperam no Senhor caminham sem se cansar» (cf. Is 40, 31), será preparado o caminho para o Jubileu dos Jovens de 2025, em Roma. Esse é o convite do Papa após “a real experiência da transfiguração”, da “explosão de luz e alegria” da JMJ de Lisboa de agosto, e antes da próxima etapa do encontro intercontinental de Seul, na Coreia, em 2027.

Leia a mensagem do Papa Francisco na íntegra AQUI

Texto: Andressa Collet – Vatican News

Foto: Seminaristas de Mariana