sexta-feira

, 24 de maio de 2024

Papa Francisco doa cerca de R$ 550 mil para as vítimas das chuvas do Rio Grande do Sul

09 de maio de 2024 Igreja no Mundo

O Papa Francisco doou 100 mil euros, equivalente à cerca de R$ 550 mil, para as pessoas atingidas pelas chuvas no Rio Grande do Sul (RS). A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 9 de maio.

O valor foi destinado por meio da Esmolaria Apostólica e será repassado ao Regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que abrange todo estado gaúcho. A informação foi confirmada pelo Arcebispo de Porto Alegre e presidente da CNBB, Dom Jaime Spengler.

A preocupação do Papa Francisco

No último domingo, 5 de maio, o Santo Padre já havia manifestado sua solidariedade às vítimas da tragédia climática, solicitando a todos orações:

“Quero assegurar a minha oração pelas populações do Estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, atingidas por grandes inundações. Que o Senhor acolha os mortos e conforte os familiares e quem teve que abandonar suas casas.”

Os últimos dados

Em todo o estado, 425 municípios foram atingidos, com 105 mortes confirmadas até a noite de quarta-feira, 8 de maio, além de 130 desaparecidos, 374 feridos, 163.786 desalojados e 7.428 pessoas em abrigos. Esses números, que estão em constante atualização, refletem as inundações sem precedentes que atingiram o Rio Grande do Sul, em meio a novos episódios de chuvas intensas e previsões de ventos fortes, juntamente com a chegada do frio.

O trabalho extraordinário de tantos voluntários

Dom Jaime relata que em Porto Alegre, capital do estado, “o nível das águas quase não baixou, e nas áreas baixas da cidade, as inundações continuam a subir”. No entanto, a solidariedade das pessoas tem sido de grande ajuda:

“Visitei vários locais onde os desabrigados estão sendo acolhidos, e é verdadeiramente um trabalho extraordinário realizado por tantos voluntários, juntamente com as nossas comunidades. É um trabalho muito bonito.”

O arcebispo descreve também que “na parte sul do estado, na região de Pelotas e Rio Grande, quase na fronteira com o Uruguai, estão enfrentando as consequências das águas que estão chegando àquela região”. Lá, eles tiveram tempo para se preparar para isso, completa o presidente da CNBB, “então, de alguma forma pode-se dizer que eles estão numa situação um pouco melhor, mas choveu muito naquela região, e isso certamente contribuirá para o sofrimento ainda maior daquela população”.

Texto: Vatican News/Adaptado

Foto: Reprodução Vatican News