sábado

, 25 de maio de 2024

Papa no Angelus: não ceda à dor e ao pessimismo, Deus está perto de nós!

27 de março de 2023 Igreja no Mundo

“Não ceda ao pessimismo que deprime, ao medo que isola, ao desânimo pela recordação de más experiências, ao medo que paralisa”!, disse o Santo Padre neste domingo, 26 de março. O Papa Francisco, introduzindo a recitação do Angelus, comentou a passagem do Evangelho deste V Domingo da Quaresma, a ressurreição de Lázaro, “querido amigo de Jesus”, para sublinhar que Jesus “dá vida mesmo quando parece não haver mais esperança” e “convida-nos a não deixar de acreditar e esperar, a não nos deixarmos esmagar por sentimentos negativos”.

“Acontece, às vezes, sentir-se sem esperança, aconteceu com todos, ou encontrar pessoas que perderam a esperança: amarguradas”, com “um coração ferido”, “por causa de uma perda dolorosa, uma doença, uma decepção, um erro ou uma traição sofrida, por um grave erro cometido”, observou o Pontífice.

“Às vezes ouvimos as pessoas dizerem: ‘Não há mais nada a ser feito!’ e fecha a porta a toda esperança. Estes são momentos em que a vida parece um sepulcro fechado: tudo é escuro, ao redor vemos apenas dor e desespero”. Em vez disso, Jesus “nos diz que isto não é assim, o fim não é este, que nestes momentos não estamos sozinhos, pelo contrário, que precisamente nestes momentos Ele se aproxima mais do que nunca para restaurar nossa vida”. Jesus chora, o Evangelho diz que ele chora diante do sepulcro de Lázaro, e Jesus chora conosco, como chorou por Lázaro: o Evangelho repete duas vezes que ele se comoveu e sublinha que Ele chorou”.

Jesus, continua Francisco, “aproxima-se de nossos sepulcros e nos diz, como então: ‘Tire a pedra'”. “Tire a pedra: a dor, os erros, também os fracassos, não os escondam dentro de vocês, em um quarto escuro e solitário, fechado”. Tire a pedra: tire tudo o que está dentro, jogue-a em mim com confiança, sem medo, porque estou com você, amo você e desejo que viva novamente”.

E, como a Lázaro, acrescenta o Papa, “repete a cada um de nós: vem para fora! Levante-se, retome o caminho, recupere a confiança! Eu levo você pela mão, como quando você era uma criança aprendendo a dar seus primeiros passos”. “Tire as ataduras que o prendem, por favor não ceda ao pessimismo que deprime, não ceda ao medo que isola, não ceda ao desânimo por causa da recordação de más experiências, não ceda ao medo que paralisa. Eu o quero livre e vivo, não o abandonarei e estou com você”. “Não se deixe aprisionar pela dor, não deixe morrer a esperança: volte à vida”. “Eu pego você pela mão e trago você para fora” da escuridão, diz Jesus.

Esta passagem, capítulo 11 do Evangelho de João, nos faz tão bem lê-la, enfatiza o Papa. “É um hino à vida”, diz, “e nós o lemos quando a Páscoa está próxima. Talvez também nós, neste momento, carregamos em nossos corações algum fardo ou algum sofrimento, que parece nos esmagar. Alguma coisa ruim, algum pecado feio, algum erro da juventude”, acrescenta Francisco.

“Então é o momento de remover a pedra e sair ao encontro de Jesus, que está próximo”. “Conseguimos abrir nossos corações e confiar nossas preocupações a Ele? Abrir o sepulcro dos problemas e olhar para além da soleira, em direção à sua luz? Ou será que temos medo disso? E, por sua vez, como pequenos espelhos do amor de Deus, será que conseguimos iluminar os ambientes em que vivemos com palavras e gestos de vida? Damos testemunho da esperança e da alegria de Jesus? Nós pecadores, todos nós?”.

Francisco dirigiu-se novamente aos confessores: “Caros irmãos, não esqueçam que vocês também são pecadores e no confessionário não sejam torturadores, mas perdoem tudo”.

O Papa concluiu: “Maria, Mãe da Esperança, renove em nós a alegria de não nos sentirmos sozinhos e o chamado a levar luz à escuridão que nos circunda”.

Texto: Silvonei José – Vatican News

Foto: Vatican Media