sábado

, 20 de abril de 2024

Paróquia Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto, mantém tradição do Setenário das Dores com origem do século 18

14 de março de 2024 Arquidiocese

A Paróquia Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto (MG), está celebrando o tradicional Setenário das Dores de Nossa Senhora. Este piedoso exercício acontece em sete sextas-feiras, iniciando-se na que antecede o início da Quaresma e indo até à chamada “Sexta-feira das Dores”, dia em que ocorre também o depósito da imagem da Virgem Maria, que, no domingo, sairá para a procissão do encontro com seu Filho Jesus.

Segundo o Diretor do Museu de Arte Sacra de Ouro Preto, Carlos José Aparecido de Oliveira, o Setenário das Dores da Matriz do Pilar tem origem na segunda metade do século XVIII, seguindo uma tradição lusitana. “Esta cerimônia é parte do elenco de nossa rica cultura material e litúrgica da Semana Santa, expressão de fé e religiosidade de nosso povo”, disse.

O texto mais antigo do Setenário, utilizado até hoje, foi impresso em Lisboa, em 1785, sob o título: Gemidos da Mãe de Deus afflicta ou Estímulos de Compaixão das suas Dores, pelo Padre Theodoro de Almeida. O repertório musical do Setenário é composto, quase em sua totalidade, por compositores ouro-pretanos e mineiros, como Jerônimo de Souza Lobo, Padre João de Deus de Castro Lobo, Martiniano Ribeiro Bastos e Antônio Lopes Serino.

Neste ano, as meditações de cada dor de Maria têm sido feitas por diáconos, seminaristas e padres. A 6ª dor, nesta próxima sexta-feira, 15 de março, será meditada pelo Bispo Emérito de Oliveira (MG), Dom Francisco Barroso Filho, sempre presente no Setenário das Dores da Paróquia do Pilar. Nesta ocasião, a antífona cantada será o tão esperado “Inflammatus”, composto pelo italiano Gioachino Antonio Rossini (1792–1868).

Para o Pároco local, Padre Adilson Luiz Umbelino Couto, “a virgem das Dores nos ajuda a chegar com o Cristo ao Calvário, tomando nossa cruz de cada dia. E isto significa ter ouvido atento ao que ele mesmo diz: o que não carrega a sua cruz e não me segue, não é digno de mim (Mt 10,38). Maria soube estar ao lado de seu filho sofredor, quando ele se sentia só e abandonado. Assim, Nossa Senhora nos ensina também a estarmos perto de cada irmão e irmã que sofre hoje”.

Acompanhe o Setenário das Dores pelas redes sociais da Paróquia Nossa Senhora do Pilar!

Texto e foto: Pastoral da Comunicação da Paróquia Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto (MG)

Agenda