sexta-feira

, 19 de abril de 2024

Quinta-feira Santa dá início ao Tríduo Pascal e é marcada pelo rito de Lava-Pés e procissão de transladação do Santíssimo Sacramento

07 de abril de 2023 Arquidiocese

A Arquidiocese de Mariana deu início as celebrações do Tríduo Pascal, na noite da Quinta-feira Santa (06/04), com a Santa Missa, na Catedral Basílica Nossa Senhora da Assunção, presidida pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Airton José dos Santos e concelebrada pelos presbíteros: Padre Geraldo Dias Buziani e Padre Johny Sales Figueiredo Dias.

A Santa Missa deixou os fiéis, que lotaram a Catedral da Sé, encantados com a entrada dos cristãos que representavam os doze apóstolos de Jesus. A cerimônia foi abençoada com a proclamação do Evangelho de Jesus Cristo escrito por João (Jo 13,1-15) realizada pelo Padre Johny Sales Figueiredo Dias.

Em seguida, Dom Airton, em sua homilia, relembrou o gesto de simplicidade de Jesus Cristo ao lavar os pés dos seus apóstolos e enfatizou a importância da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio

“A Igreja se alegra por aqueles que especialmente foram chamados pelo Senhor para exercer o Ministério Sagrado da Igreja, o Ministério Ordinário, para anunciar a palavra de Deus para todo o povo de Deus.

Nós sacerdotes recebemos este cargo não porque vencemos ou porque fazemos por onde, recebemos por participação do sacerdócio único e verdadeiro de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Toda Quinta-feira Santa, nós nos lembramos deste momento fundamental para a vida da igreja e que o Evangelho nos r­­­elata. Hoje, nós ouvimos a instituição do Sacramento da Eucaristia na vida da igreja. Para Eucaristia, nós nos dirigimos e a partir dela nos dirigimos ao mundo, para evangelizarmos, para sermos missionários, para sermos propagadores da fé que recebemos, a fé do nosso batismo”, disse Dom Airton.

O Arcebispo de Mariana também enfatizou que o verdadeiro amor é servir e amar ao próximo.

“Como é que nós podemos amar a Deus sobre todas as coisas? Como é que nós demonstramos que somos fiéis? Como é que nós demonstramos ao mundo, no nosso dia a dia, que somos sementes a Deus? Se amamos os nossos irmãos.

Amor não é o sentimento que nós queremos ter, para definir isso, que é característica do ser humano, pode ser orgulho, paixão e interesse. Deixa de ser amor quando não interessa mais, ao contrário, amor verdadeiro, esse que o Senhor colocou no coração de todos os seres humanos; essa proximidade que temos uns com os outros; nós somos iguais, filhas e filhos de Deus. É por isso que o Nosso Senhor ensina no Evangelho que nós devemos ser irmãos uns dos outros; não devemos estar acima uns dos outros; devemos ser irmãos, cada um realizando aquilo que Deus concedeu para o bem comum, para o bem de todos, para o bem da comunidade de fé”, enfatizou.

Ao final da homilia ocorreu o Sacramento da Comunhão e, em seguida, o rito de Lava-pés. No ato, Dom Airton lavou e beijou os pés dos cristãos que representaram os discípulos do Senhor. Como o próprio Arcebispo enfatizou em sua homilia, o Lava-pés é o gesto que mostra toda humildade de Jesus.

“Nosso Senhor se abaixou e lavou os pés dos discípulos, queridos irmãos e irmãs. Neste gesto de Jesus Cristo, São Francisco compreendeu a sua espiritualidade, a sua mística, como um gesto que somente Deus é capaz de fazer, porque Deus está acima de tudo e de todos.  Se existe alguma coisa acima Deus, Ele está além daquilo que está acima, é o único ser, se nós podemos dizer isso para compreensão, que pode abaixar-se. Ele não tem mais onde subir, está acima de tudo e nós achamos que se abaixar é se humilhar é rebaixar-se.

Com esse gesto, Nosso Senhor começa a sua glorificação. Deus se tornou a pessoa humana, primeiro gesto de abaixar-se, saiu da sua condição de Deus, veio até nós, se tornou pessoas humanas e se torna Deus conosco, presente na história humana, ao caminhar com os discípulos por essa terra ensinou tudo aquilo que vem do pai, não escondeu nada, nem o sofrimento, e disse  aos discípulos: aqui neste mundo vocês terão decepções, incompreensões serão presos, denunciados e entregue até pelos seus familiares, nas mãos dos opressores, mas no Reino de Deus vocês serão o centro, vocês serão muito mais com dignidade e santidade.

Jesus não escondeu nada dos discípulos, por isso que nosso segmento de Jesus deve ser aprofundado a cada dia. Deve ser uma decisão minha, pessoal; eu não vou porque outros vão; eu creio em Deus porque a convicção de fé é profunda, essa convicção é que nos leva a cumprir a vontade do Senhor.

O que é que fundamenta lavar os pés uns dos outros? É o amor que nós devemos ter a Deus sobre todas as coisas e as pessoas como a nós mesmos”, disse Dom Airton.

Após a celebração com o rito de Lava-pés, foi realizada a desnudação dos altares e a procissão de transladação do Santíssimo Sacramento, com adoração até às 00h.

Fotos: Magu Tavares

Agenda