domingo

, 16 de junho de 2024

Reflexão, partilha, oração, adoração ao Santíssimo e silêncio marcam o Retiro do Clero 2023, na Arquidiocese de Mariana 

11 de fevereiro de 2023 Arquidiocese

Em busca do contínuo crescimento espiritual e para reforçar a unidade com o Arcebispo Metropolitano, Dom Airton José dos Santos, entre os dias 06 e 10 de fevereiro, Padres e Diáconos da Arquidiocese de Mariana participaram do Retiro do Clero 2023, na Fazenda da Borda do Campo, em Antônio Carlos (MG). 

A abertura do Retiro do Clero 2023 foi presidida pelo Arcebispo de Mariana, Dom Airton, e os trabalhos de diálogo e reflexão, ao longo da semana, foram guiados pelo Conselheiro-geral da Congregação do Verbo Divino, Padre Arlindo Dias. 

As reflexões do retiro foram divididas em três eixos: cuidado com a casa comum, ouvir o clamor dos pobres e viver a sinodalidade. Dentro dessa proposta, o Padre Arlindo colocou como enfoque as alegrias, as frustrações, as expectativas e sonhos, para que os padres e diáconos pudessem rezar, discernir, celebrar e participar. 

De acordo com o depoimento dos religiosos que vivenciaram esse encontro, foi uma experiência muito positiva para o ano que se inicia. Eles tiveram a oportunidade de refletir, partilhar, orar, adorar ao Santíssimo e sentir o silêncio. 

Confira os depoimentos dos religiosos que participaram do Retiro do Clero 2023

Padre Jackson de Sousa Braga, Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Piedade, de Rio Espera (MG). 

“O retiro deste ano foi encorajador. O pregador, Padre Arlindo, nos motivou à luz do magistério do Papa Francisco e trouxe testemunhos, incluindo o seu. Foi uma experiência muito positiva para o ano que se inicia, para a comunhão com Deus e com o presbitério. Destaco a sugestão que ele nos deu para fazermos um projeto de vida que vai delinear nossa caminhada presbiteral e pastoral: vida de oração, convivência e trabalho pastoral nas paróquias, autocuidado e responsabilidade para com os mais necessitados”, disse Padre Jackson. 

Diácono Ronei Luis da Silva Ferreira, da Paróquia de Santo Antônio, de Ouro Branco (MG). 

“O Padre Arlindo tinha a proposta de nos mostrar toda a missão de uma forma continental. Ele iniciou mostrando para gente todos os continentes, as suas dificuldades, mas também as pessoas sofredoras em cada um desses lugares e, em cada um desses lugares, sempre tinha um missionário que ajudava esse povo a ter uma vida um pouquinho melhor e, dentre todos esses momentos que a gente foi vivenciando, nós fomos voltando para dentro da nossa Arquidiocese e assim a gente sentiu como é importante a nossa participação e nosso olhar principalmente pelas pessoas mais necessitadas e sofredoras. Por isso, é tão importante a gente  se colocar verdadeiramente a serviço do povo de Deus”, destacou o Diácono Ronei. 

Padre Paulo Barbosa, da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, de Congonhas (MG). 

“Foi muito bonito, muito bem participado, a proposta do Pregador do Verbo Divino, o Padre Arlindo, foi levar os padres a refletirem no eixo da palavra de Deus, clamor dos pobres e também na sinodalidade. Um movimento de silêncio, de reflexão, de conexão tanto com a realidade, como também do presbitério entre si, com Eucaristia celebrada, momentos de partilha. O espaço é muito bom para se rezar, então, tivemos um retiro muito produtivo. A avaliação mostrou o quanto é necessário se reunir nesses momentos, para fazer como Jesus fazia, retirar-se e encontrar a força para o retorno das atividades”, apontou Padre Paulinho. 

Padre Wagner José Nascimento Balbino, da Paróquia Santa Bárbara, de Santa Bárbara do Tugúrio (MG). 

“Para mim, particularmente dizendo, nesse primeiro retiro, foi uma experiência muito de fraternidade, de proximidade com os outros presbíteros, de aprendizado com os outros padres que já estão a mais tempo na caminhada ministerial. Diante disso tudo, agora é voltar para as nossas atividades pastorais nas nossas paróquias e fazer com que aquele que vivemos na espiritualidade, que rezamos diante de Jesus, seja efetivado na nossa vida, no nosso ministério, naquilo que fazemos diante das comunidades”, disse Padre Wagner.