sexta-feira

, 19 de agosto de 2022

Região Norte: catequistas recebem formação sobre o Mês da Bíblia

16 de setembro de 2019 Arquidiocese

“Palavra na Bíblia é acontecimento, é evento de salvação”, ressaltou Monsenhor Celso Murilo Sousa Reis, na formação sobre o Mês da Bíblia, realizada para catequistas da Região Norte, no Centro Pastoral Cônego José Renato, em Mariana, no último sábado (14). Os participantes estudaram a Primeira carta de São João, escolhida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para este mês.

“Esse é o primeiro enfoque da Cristologia da primeira carta de João: dizer que Jesus é Palavra Viva. O autor vai insistindo nisso, é Jesus que dá sentido a vida do ser humano”, explicou o monsenhor. Ele lembrou a necessidade dos cristãos apresentarem Jesus como mensagem de Deus e diferenciarem o significado de Palavra na Bíblia. “A Palavra não é um título, não é um rótulo, não é uma maneira de classificar as coisas, como livro, sapato, carteira. Palavra aqui é muito mais, é Deus salvando, Deus presente, Deus agindo[…] Ela penetra fundo na alma, como a espada de dois gumes que vai até o mais profundo do nosso ser”.

Monsenhor Celso também destacou que a primeira imagem pra descrever o agir de um cristão no texto da carta é o verbo caminhar. “Aqueles que não conhecem Jesus caminham nas trevas; as trevas na linguagem de São João representam o fechamento, o isolamento, o egoísmo, a maldade, tudo aquilo que existe de negativo no ser humano. O ser humano quando se deixa levar pelo egoísmo, pelo isolamento, pelo fechamento, caminha nas trevas” expôs.

Ele esclareceu que caminhar significa tudo que é próprio da vida do cristão: viver a fé, testemunhá-la, anunciá-la, evangelizar. A vida cristã, em suas palavras, é feita de experiência, de vivência , testemunho, anún, comunhão e alegria. “Caminhar é não ficar parado, estagnado, como o papa tem falado, ‘não ser cristão de poltrona’, ficar o domingo inteiro vendo televisão. A vida cristã não é isso, a evangelização, o anúncio é uma maneira de vivê-la”, exortou.

 

Avaliação

A coordenadora Catequese na Região Norte, Cláudia Susana Cristino, explica que o objetivo dessas formações estendidas – quando vão além do coordenador paroquial de catequese e são oferecidas também a outros atuantes da catequese na paróquia: batismo, adulto, leigos atuantes – é engradecer as pessoas. Principalmente do Mês da Bíblia, além de conhecer o texto mais aprofundadamente, as pessoas podem tomar gosto de rezar, como o monsenhor Celso falou, rezar na Palavra de Deus, meditar, estudar. É essa a importância pra um catequista que faz ecoar a palavra de Deus em todo lugar, ele tem que saber o que e como falar da Palavra de Deus de forma certa, correta, não de falácias”.

A catequista Ana Beatriz de Souza, da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, em Mariana, considera importante encontros como esse para ajudar a sair do comodismo. “No cotidiano, como cristão, a gente deixa a desejar. Acabamos ficando nas leituras diárias, nos evangelhos. Eu falo por mim, esse mês de setembro é uma oportunidade muito boa da gente aprofundar mais sobre a carta. Como catequista, é muito rico isso”, diz.

Iara Fernanda dos Santos, da comunidade Nossa Senhora Aparecida, do Morro Santana, concorda e vê como uma oportunidade de aprender e passar adiante, tal qual a missão de um catequista.  Bernardo José da Silva, que acompanha e auxilia a mãe na catequese da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Mariana, revela que formações assim “acrescentam mais pela sabedoria, neste caso da primeira carta de São João. Entender mais sobre a bíblia e poder refletir é sempre importante”, diz.

Agenda