sexta-feira

, 24 de maio de 2024

Último dia do 8º Fórum Social Pela Vida é marcado pela romaria “Dom Luciano pela Vida” e pela Celebração Eucarística de encerramento

28 de novembro de 2022 Arquidiocese

Com cartazes que refletem as palavras de Dom Luciano Mendes de Almeida, orações e melodias religiosas, a romaria “Dom Luciano pela Vida” marcou a manhã deste domingo, 27 de novembro, em Carandaí (MG), durante a programação do último dia do 8º Fórum Social Pela Vida. Duzentos e sessenta fiéis participaram da peregrinação, que deu início na Escola Municipal Deputado Abelard Pereira e foi até a Igreja Matriz Sant’Ana, com uma trajetória de 600 metros. 

Ao chegar na Matriz de Sant’Ana, que estava toda enfeitada por flores e cartazes com palavras de amor, foi realizada a Celebração Eucarística de encerramento do Fórum Social. Nessa missa, também foi celebrado o 1º Domingo do Advento, dia que dá início ao tempo de preparação para o Natal. 

A cerimônia foi presidida pelo Arcebispo de Mariana, Dom Airton José dos Santos, e contou com a presença de padres da Arquidiocese, de leigos, além dos participantes do 8º Fórum Social Pela Vida, que fizeram questão de levar consigo o símbolo do evento, o girassol. 

Os dizeres da cerimônia contaram com a primeira leitura (Is. 2,1 – 5), a segunda leitura (Rm 13,11 – 14) e o Evangelho (Mt. 24, 37 – 44). Na oportunidade, o Arcebispo de Mariana também fez uma analogia do tempo do Advento com o tema do  8º Fórum Social Pela Vida. 

“Acho que foi providencial celebrar o encerramento do Fórum Social Pela Vida no 1º Domingo do Advento. Nós começamos com grande esperança, nós não estamos jogados no mundo, Deus veio até nós, Jesus Cristo veio até nós, e com uma coisa importante, o tema do Fórum Social: “Lutar por justiça e construir a fraternidade”.  Sabe por que esse tema está junto? Justiça sem fraternidade é opressão, é vingança, é maltrato. Então, toda vez que nós queremos justiça e deixamos de ser fraternos, a justiça se transforma, não é mais justiça”, disse.

“Veja, começa em casa, quando os pais devem educar os filhos, eles não devem fazer isso como vingança, como opressão, mas com amor. E quando educam os filhos com amor, os filhos vivem com amor e nunca se esquecem disso. Quando os filhos são maltratados na própria educação, se tornam revoltados contra alguma coisa, sempre tem que estar contra né. E, às vezes, nós no mundo, queridos irmãos, na nossa vida, eclesial inclusive, vivemos uma adolescência interminável, somos contra alguma coisa, nós temos que ser a favor do bem, da justiça, da paz, da fraternidade. Por isso, o tema do 8º Fórum Social Pela Vida trazendo esses dois assuntos, justiça e fraternidade, nós não podemos separar, de forma alguma, porque se nós fizermos a separação, não é mais justiça e não é mais fraternidade também, aí é interesse, é egoísmo”, continuou o Arcebispo Metropolitano de Mariana.

“Sermos fraternos, significa sermos irmãos, e o Papa Francisco tem lembrado isso muito, até chegar ao ponto de dizer que é preciso uma amizade social, ou seja, não é só entre nós que cremos, mas isso deve se expandir para todo mundo, de modo que as sociedades todas, a organização do mundo todo seja feita a partir da fraternidade, do respeito pela vida humana, do respeito por aquele ser, que somos cada um de nós, únicos que somos, imagem e semelhança de Deus, isso é bíblico, fomos criados à imagem e semelhança de Deus”, destacou Dom Airton. 

Ao final da celebração, o Coordenador da Dimensão Sociopolítica, Padre Geraldo Martins, agradeceu a todas as pessoas que ajudaram na construção do Fórum. Além disso, o delegado do evento, Bruno Fernando Queiroz, realizou a leitura da Carta Compromisso do 8º Fórum Social pela Vida.

Fotos: Tiago Fernandes