domingo

, 14 de agosto de 2022

Apostolado da Oração completa 177 anos de fundação nesta sexta-feira, 03 de dezembro

03 de dezembro de 2021 Arquidiocese

Foto: Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em São Miguel do Anta

O Apostolado da Oração, atualmente chamado de Rede Mundial de Oração do Papa, é um movimento tão enraizado na vida paroquial das nossas comunidades, em nosso país, que não nos damos conta de que ele não começou em meio aos leigos. Quando o Padre Bartolomeu Taddei (1837 – 1913) o introduziu no Brasil, porém, já era uma realidade paroquial por toda a Europa, onde nasceu.

O Apostolado teve início entre estudantes da Companhia de Jesus em Vals, Diocese de Le Puy, na França. Era 03 de dezembro de 1844 e, ao conhecer missionários vindos da África, os jovens ouviram contar da necessidade de novos jesuítas naquela região. Notando a sua inquietação, o diretor espiritual do grupo, Padre François Gautrelet (1807 – 1886), propôs aos estudantes um movimento espiritual em benefício das missões.

Padre Bartolomeu Taddei, ilustre propagador do Apostolado Da Oração no Brasil. Foto: Mauro Dutra de Faria

Não queria que eles interrompessem os estudos para rezar por elas, mas poderiam organizar as orações pessoais, já comuns, sacrifícios e trabalhos oferecendo-os à salvação das pessoas e às missões da Igreja, em especial, poderiam rezar pela África, que lhes chamara a atenção. Assim nasceu o Oferecimento diário, tão caro aos membros do Apostolado até hoje. O bispo de Le Puy aprovou o movimento em 1849. Padre Gautrelet deu à nova organização o nome francês de I’Apostolat de la Prière, ou seja, Apostolado da Oração em português. O bispo encaminhou a proposta ao Papa Pio IX, que recomendou o movimento sem restrições.

Um dos estudantes de Vals, depois ordenado sacerdote da Companhia de Jesus, é que levou o Apostolado aos leigos. Chamava-se Padre Henri Ramière (1821 – 1884), nascido há 200 anos.

Padre Ramière, assim como Padre Taddei, era devoto do Sagrado Coração de Jesus e tinha vocação para o trabalho espiritual. Foi mandado, em 1853, justamente para dirigir a casa dos jesuítas de Vals. Ali é que ampliou a divulgação das práticas ligadas ao Coração de Jesus junto aos estudantes e ao povo. Padre Ramière percebeu que o Apostolado da Oração abriria portas aos leigos, aproximando-os de uma piedade nova, sacramental e de frequência constante à Igreja. Mais do que isso, poderiam se tornar lideranças na difusão da religião.

Em 1861, de sua iniciativa, nasceu a revista Mensageiro do Coração de Jesus, cuja versão brasileira o Padre Taddei criou em 1896. Era o meio mais eficaz de divulgar a devoção junto aos católicos.

Foto: Mauro Dutra de Faria

Naquele mesmo ano publicou o livro “O Apostolado da Oração”, santa Liga de corações cristãos unidos ao Coração de Jesus. Tornou-se Diretor Mundial do Apostolado e publicou o primeiro Manual do Apostolado da Oração, depois traduzido e impresso em Portugal e no Brasil.

Padre Taddei e Padre Ramière mantiveram boa correspondência, inclusive porque foi este quem nomeou o nosso padre santo de Itu para a direção do Apostolado da Oração no Brasil. O prêmio eterno da obra do Padre Ramière veio nos primeiros dias de 1884, quando retornou à Casa do Pai.

Se o trabalho do Padre Taddei foi enorme, a semente bem plantada e cultivada veio da iniciativa do Padre Ramière, anos antes, na França. O Apostolado da Oração é um dom extraordinário da santidade de ambos.

Fonte de pesquisa: Revista Mensageiro do Coração de Jesus, Edição 1396 – dezembro 2021

Colaboração: Leonan Rezende – Coordenador do Grupo do Apostolado da Oração da Paróquia Basílica do Sagrado Coração de Jesus, em Conselheiro Lafaiete (MG)

Agenda