quarta-feira

, 22 de maio de 2024

CAP delibera sobre a 30ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral e dá início aos preparativos

27 de fevereiro de 2023 Arquidiocese

O Conselho Arquidiocesano de Pastoral (CAP) esteve reunido ao longo da última sexta-feira, 24 de fevereiro, no Centro de Pastoral, em Mariana (MG), para o primeiro encontro de 2023. Durante a reunião, os membros deliberaram sobre a 30ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral, agendada para os dias 22 e 23 de setembro, e deram início aos seus preparativos. 

Seguindo a pauta preparada pela Coordenação do CAP, elaborada em reunião do dia 15 de fevereiro, o Coordenador Arquidiocesano de Pastoral, Padre José Geraldo de Oliveira, deu início ao encontro apresentando as propostas para a realização da Assembleia. No encontro preparatório, os presentes sugeriram que o evento arquidiocesano ocorresse de modo presencial, tendo como objetivo pensar em mecanismos para revitalizar as comunidades.

Com o tema sugerido de “De corações ardentes, reavivar comunidades eclesiais na comunhão e participação”, sendo o termo eclesial incluído após as considerações do CAP, e o lema “Escuta o que o Espírito diz às Igrejas”, para este ano, é previsto que a Assembleia seja propositiva. Para isso, a ideia é que sejam feitos momentos de avaliação, com o intuito de propor novas ações, sem gerar um novo documento.

Pe. José Geraldo apresentou as sugestões para a 30ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral.

Ainda, a fim de ajudar as comunidades e paróquias a viverem a 30ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral, pensou-se em um momento preparatório à assembleia quando serão enviados às paróquias subsídios a serem estudados e refletidos. Posteriormente, cada paróquia deverá enviar até julho ao Centro Regional de Pastoral as suas respostas que, por sua vez, deverá realizar a síntese dos materiais e apresentá-la de maneira crítica e analítica durante a Assembleia de modo que possa contemplar a realidade arquidiocesana.

Após a apresentação das ideias para a Assembleia, os integrantes do CAP foram divididos em cinco grupos para discutirem sobre as propostas e opinarem sobre elas, apresentando os seus pontos de vista aos demais presentes. 

À ocasião, os participantes apontaram alguns aspectos que veem como necessários de atenção ia como o uso das redes sociais e dos meios de comunicação para fazer a divulgação da Assembleia, de modo fazer chegar a notícia às comunidades, mas também os assuntos que serão debatidos; trabalhar a questão da participação das crianças e dos jovens na vida da Igreja; e que os subsídios preparatórios sejam simples e objetivos. De modo geral, as sugestões da Coordenação do CAP foram acolhidas pelos demais membros do Conselho. 

Em grupos, os integrantes do CAP refletiram sobre os assuntos em pauta da reunião.

Destacando que é responsabilidade do CAP reanimar as ações evangelizadoras e pastorais, Padre José Geraldo explicou a importância de trazer esse assunto como tema central da 30ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral. “De fato, há uma necessidade dessa revitalização, desse reanimar ou de renovar, aquilo que a Igreja sempre diz: evangelizar com renovado ardor missionário. É esse ardor missionário que nós precisamos renovar em nossas comunidades”, disse. 

“Nessa primeira reunião do ano, já podendo contar com a presença de todos os membros do CAP, o que estava difícil em outras ocasiões por causa da pandemia, cada um voltou para a sua comunidade com esse compromisso de revitalizar a comunidade e na Assembleia buscar meios de fazer isso da melhor maneira possível para que as pessoas possam ser reanimadas na caminhada, transformando esse mundo de sofrimento, e buscando [ser] uma Igreja transformadora, [com] uma evangelização que promova a vida e a unidade dessas pessoas todas. Então, não somente reanimar aqueles que estão na ativa na ação evangelizadora e pastoral, mas levar força, coragem e fazer renascer a esperança no coração de tanta gente”, complementou o Coordenador Arquidiocesano de Pastoral. 

Ministério da Palavra

Outra temática debatida durante a reunião do CAP foi sobre o Ministério da Palavra na Arquidiocese de Mariana. À oportunidade, pontuou-se a necessidade de buscar uma conceituação de quem seriam os ministros da Palavra, além de diferenciá-los dos leitores e dos dirigentes das celebrações. 

Pe. Lucas Germano falou sobre o Ministério da Palavra.

“Como expressão de uma Igreja ministerial, nós queremos ajudar com que todos possam assumir, de fato, a sua missão com o corpo eclesial. O Ministério da Palavra vem auxiliar no serviço, de fato, da Palavra nas nossas comunidades. Nós colocamos no Projeto Arquidiocesano de Evangelização (PAE) que nenhuma comunidade poderia ficar sem a reflexão da Palavra e a Eucaristia aos domingos. Então, estruturar propriamente o ministério dito é também dar continuidade a aquele compromisso assumido no PAE para que todos possam, de fato, celebrar a Palavra ao menos aos domingos”, ponderou o Assessor Arquidiocesano da Dimensão Litúrgica, Padre Lucas Germano.

Para isso, os grupos de trabalho pensaram em propostas de formação para os Ministros da Palavra, ponderando, especialmente, a necessidade de retomar os cadernos litúrgicos produzidos pela Arquidiocese de Mariana. No total, são seis documentos deste tipo. “Então, esse é o desejo nosso de reestruturar esse ministério, entendendo aquilo que é propriamente: ministro, leitor e dirigente”, enfatizou o Assessor da Dimensão Litúrgica. 

Segundo Padre Lucas Germano, a partir das ideias e apontamentos ocorridos no CAP, será criada uma comissão mista, composta por diversas frentes, como a Equipe Arquidiocesana de Liturgia e a Dimensão Bíblico-Catequética para dar continuidade às discussões realizadas.

Igrejas Irmãs

Pe. João Paulo falou sobre o projeto Igrejas Irmãs.

O aspecto missionário da Arquidiocese de Mariana, especialmente, por meio do projeto Igrejas Irmãs, também foi discutido no último CAP. De acordo com o Padre João Paulo da Silva, será necessário retomar todo o trabalho produzido nesta Igreja Particular a fim de implementar, na prática, esse projeto, visto que, Almenara (MG), a atual Igreja Irmã de Mariana, encontra-se com a sede vacante – sem a presença de um bispo dicoesano.

“A nossa Arquidiocese é uma arquidiocese eminentemente missionária. Podemos contar hoje com vários padres que já prestaram esse serviço em outras dioceses e isso demonstra exatamente esse caráter missionário da nossa Arquidiocese de Mariana. Se você for percorrer o Brasil para saber quais dioceses que têm esse tanto de padre sempre em missão vai ser muito desafiador você encontrar. Então, é por isso que nós destacamos essa importância das pessoas, dos padres que se colocam a serviço, na simplicidade da sua vida dá essa essa grande colaboração em outras dioceses”, compartilhou Padre João Paulo. 

Atualmente, três sacerdotes do Clero Marianense estão em missão: os Padres D’Artagnan de Almeida Barcelos e José Geraldo Magela Vidal na Diocese de Xingu-Altamira (PA), e o Padre Alex Martins de Freitas na Arquidiocese de Porto Velho (RO).

Fotos: Thalia Gonçalves

Agenda