sábado

, 18 de maio de 2024

Missa da Unidade e do Crisma reúne o Clero Marianense pela primeira vez na Catedral de Mariana após restauração

01 de abril de 2023 Arquidiocese

O presbitério da Arquidiocese de Mariana se reuniu, na manhã deste sábado, 1º de abril, em torno do Arcebispo Metropolitano, Dom Airton José dos Santos, para celebrar a Missa da Unidade e do Crisma. A Santa Missa foi realizada na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, em Mariana (MG), e contou também com a presença de diáconos, seminaristas, religiosos e religiosas, fiéis leigos e leigas desta Igreja Particular. 

Tendo sido iniciada com a oração Hora Média, a celebração foi marcada pela reunião do Clero Marianense pela primeira vez na Catedral Metropolitana, após quase sete anos, período em que a Igreja Mãe de Mariana esteve fechada para obras de restauração estrutural e dos elementos artísticos. Vale lembrar que o templo, de importância religiosa, histórica e cultural, foi reaberto em dezembro de 2022.

Durante a homilia, o Arcebispo Metropolitano de Mariana destacou a alegria do Clero Marianense de poder, novamente, celebrar a Missa da Unidade e do Crisma, abrindo às solenidades da Semana Santa, na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, chamando a atenção para a responsabilidade de todos em mantê-lo. 

Dom Airton ainda enfatizou que a Missa da Unidade é uma oportunidade de encontro de todos os sacerdotes da Igreja e, se não houver esforços individuais e coletivos, a tendência é o distanciamento. “Todos nós somos responsáveis em manter a comunhão na Arquidiocese de Mariana. E não existe um mais responsável do que o outro; todos nós somos igualmente responsáveis”, pontuou. 

Ao recordar a passagem do Evangelho da celebração (Lc 4, 16-21), quando Jesus retorna ao profeta Isaías e diz “que o Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu”, Dom Airton ponderou que esse foi um compromisso assumido pelos sacerdotes. Dirigindo-se aos ministros ordenados, questionou-os: “e o nosso comportamento? E as nossas palavras? E o nosso modo de ser? Coadunam a esse compromisso que assumimos ou se distanciam?”.

Celebrando a unidade

Segundo a Madre Maria Mãe Clemente, do Instituto Servidoras do Senhor e da Virgem de Matará (SSVM), participar dessa celebração é reafirmar o compromisso em ser uma Igreja em Saída, como pede o Papa Francisco, e permanecer em comunhão a Igreja Particular de Mariana com todos os religiosos e religiosas presentes em seu território que, apesar de terem carismas diferentes, professam a mesma fé e formam a mesma Igreja: “não pensar em divisão jamais!”, salientou. 

“Como o próprio nome já diz, é para estar unida à Igreja, à Arquidiocese de Mariana […]. É algo de suma importância mesmo para a unidade da Igreja e de todos os religiosos e religiosas daqui da Arquidiocese”, afirmou a Madre que, atualmente, reside na cidade de Senador Firmino (MG) e participou pela primeira vez da Missa da Unidade nesta Igreja Particular. 

O Diácono Robson Silva também expressou sobre o significado e o sentido litúrgico dessa celebração. “Representa, exatamente, a unidade do Clero Arquidiocesano de Mariana. A participação, então, tanto dos padres, dos diáconos permanentes e dos diáconos transitórios, bem como todo Povo de Deus. Então, a maior representatividade é exatamente, a unidade: queremos ser um só em Cristo Jesus para que a Igreja cresça na construção do Reino de Deus”, compartilhou.

Para o Ministro Extraordinário da Eucaristia e Agente da Pastoral da Comunicação (Pascom), Ricardo Nascimento Balbino, “foi uma alegria muito grande poder participar desta Santa Missa, tão bela, aqui na Catedral de Mariana, especialmente agora, que depois da restauração, é a primeira Missa da Unidade”. Conforme o paroquiano da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Barbacena (MG), a presença nessa celebração é simbólica e significativa, pois é quando os Óleos utilizados na administração dos Sacramentos são abençoados e consagrados.

“É muito bonito a gente perceber esse momento desse encontro dos padres, dos diáconos, junto ao bispo, formando essa família da Igreja Particular de Mariana. Isso é muito bonito”, destacou Ricardo.

Renovação das promessas sacerdotais 

Após a reflexão do Evangelho, aconteceu um dos principais momentos da Celebração da Unidade: a renovação das promessas sacerdotais. Em comunhão e fraternidade, os sacerdotes presentes reafirmam os compromissos assumidos quando foram ordenados. 

Ordenado em novembro de 2022, às vésperas da abertura do 3º Ano Vocacional, e renovando pela primeira vez as promessas sacerdotais, o Padre Wesley Pires dos Santos descreveu esse ato como voltar à fonte e se sentir parte da família do ministério ordenado. “A renovação das promessas sacerdotais é, de fato, sempre voltar à fonte, ao primeiro amor, Àquele que nos chamou, à razão do nosso ministério e da nossa vocação. Contemplar este amor tremendo do Cristo que se doa, que se entrega a nós, na sua paixão, morte e ressuscita, nos dando a vida nova.  Por isso, o sacerdócio também está no mundo a serviço do povo, agindo na pessoa do Cristo. Depois, é pensarmos, e nunca esquecermos, que somos uma família do presbitério da Arquidiocese de Mariana. Somos irmãos, por isso, aqui estamos todos unidos ao Arcebispo, que é a cabeça e que também governa esta Igreja Particular”, ressaltou.

Quem também participou pela primeira vez da Missa da Unidade e do Crisma na Arquidiocese de Mariana foi o Padre Amauri Eustáquio da Paixão, pertencente ao Clero da Diocese de Uberlândia (MG). “Vir aqui, pela primeira vez, é voltar ao berço das minhas origens”, descreveu o sacerdote que é natural da cidade de Congonhas (MG). Fazendo o período de experiência nesta Igreja Particular, como Administrador Paroquial da Paróquia Santo Antônio, em Cajuri (MG), ele ainda frisou a importância dessa celebração: “É um momento de renovar o nosso compromisso para continuar dando a contribuição para o Reino de Deus, acima de tudo”, disse.

Com 33 anos de sacerdócio, o Padre Paulo Barbosa destacou que essa Missa, como já traz no nome, celebra a unidade no presbitério, na Celebração Eucarística e na missão. “Então, a renovação desses compromissos sacerdotais torna-se, para todos nós, uma manifestação da nossa vocação, da vocação que nós somos chamados […]. Esse chamado que é expresso no dia a dia, no trabalho junto ao povo, na busca por uma vida digna para toda a população. […] Então, renovar esse compromisso é reafirmar a alegria da gente servir a Deus, à Igreja, aos pobres e às comunidades”, ponderou Padre Paulinho. 

Os Santos Óleos

Os Óleos antes de serem abençoados.

Outro momento crucial dessa celebração, que ocorre após a renovação das promessas sacerdotais, é a bênção dos Óleos dos Catecúmenos, utilizado no Sacramento do Batismo, e o dos Enfermos, usado na administração da Unção dos Enfermos. Já o Óleo do Crisma, diferente dos outros dois, é consagrado durante a celebração e recebe uma porção de bálsamo. 

De acordo com o Reitor da Catedral e Doutor em Liturgia, Padre Geraldo Dias Buziani, isso acontece, pois o Crisma é o Óleo com o qual se faz a mediação da doação do Espírito Santo, representando o perfume, o bom odor de Cristo. “O Crisma é o Óleo do Espírito Santo”, enfatizou. Também em sinal da presença da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, esse óleo, que é utilizado nos Sacramentos do Batismo, da Crisma e da Ordem, recebe o sopro do Arcebispo, sendo o único que pode realizar a sua consagração.

“Os Óleos Santos são sinais expressivos da eclesialidade, isso é, da presença da Igreja, em nome de Jesus Cristo, junto aos enfermos, aos batizandos, aqueles que entram na vida da comunidade e que também vão ser inseridos para viver a sua fé cristã, ser sal da terra e luz do mundo, e o Óleo do Crisma que vai, justamente, nos confirmar nesta fé amadurecida. É uma conexão, então, da celebração, com o Arcebispo, com os padres e com o povo, a quem nós vamos servir”, especificou Padre Paulinho sobre a Missa do Crisma. 

Processo de encher os Santos Óleos nos recipientes.

Após os rituais de bênção e consagração, uma equipe, formada por 12 pessoas, ficou responsável por preparar os recipientes que receberam os Santos Óleos, enchendo-os. Entre eles estavam colaboradores da Cúria Metropolitana de Mariana, do Arquivo Eclesiástico, seminaristas do Seminário São José e paroquianas da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, de Mariana. 

O seminarista Vitor de Paula Paiva, do 2º ano de Teologia, que ajudou a encher os frascos com os Santos Óleos, essa ação proporcionou a refletir sobre a importância de oferecer o sacramento ao Povo de Deus. “Esse simples fato de estar aqui em equipe, organizando e montando os kits com os Óleos, é momento de pensar naquele Povo de Deus que está nas paróquias, que reza pela nossa vocação, e que está à espera dos Sacramentos”, apontou o vocacionado.

Ao final da celebração, Dom Airton realizou a entrega dos frascos enchidos aos padres, cumprimentando-os, a fim de que os Santos Óleos cheguem a cada uma das 136 paróquias da Arquidiocese de Mariana presentes em 79 municípios mineiros.

A celebração foi transmitida pelo canal do YouTube da Arquidiocese de Mariana e pode ser assistida na íntegra em: 

Fotos: Thalia Gonçalves

Atualizado em: 03/04/2023 às 08h28

Agenda