quarta-feira

, 22 de maio de 2024

Sexta-Feira Santa convida a reviver a Paixão do Senhor e com Ele percorrer o caminho de seu Calvário

05 de abril de 2023 Arquidiocese

Sexta-feira Santa, como estabelece a liturgia do Tempo Litúrgico na Igreja, é o dia do silêncio e da adoração, dia no qual se medita com a Via-Sacra a Paixão de Cristo e se repercorre com Jesus o caminho da dor que leva à sua morte, uma morte que, sabemos, não é para sempre. A cor vermelha marca a celebração da Paixão do Senhor e o dia é marcado por jejum e abstinência. Segundo antiquíssima tradição, a Igreja na Sexta-feira e no Sábado não celebra os sacramentos. Na tarde deste dia, pelas três horas, a não ser que razões pastorais aconselhem horas mais tardias, procede-se a celebração da Paixão do Senhor, que consta de três partes: Liturgia da Palavra, Adoração da Cruz e Comunhão Eucarística.

Nesta Sexta-feira Santa, dia 7 de abril, as igrejas estão silenciosas. Na liturgia não há canto, não há música e não se celebra a Eucaristia, porque todo espaço é dedicado à Paixão e à morte de Jesus. Ajoelhamo-nos, para simbolizar a humilhação do homem terreno e a coparticipação ao sofrimento do Senhor. Porém, não é um dia de luto, mas um dia de contemplação do amor de Deus que chega para sacrificar o próprio Filho, verdadeiro Cordeiro pascal, para a salvação da humanidade.

A adoração da Cruz

A Cruz está presente na vida de todos os cristãos desde a purificação do pecado no Batismo, absolvição do Sacramento da Reconciliação, até o último momento da vida terrena com a Unção dos enfermos. Na Sexta-feira Santa somos convidados a adorar a Cruz para o dom da salvação que conseguimos através da sua vinda.

No calvário com Jesus e com quem passa fome

Também é na Sexta-feira da Paixão que, em muitos lugares do Brasil e do mundo, grupos realizam a encenação da Via-Sacra que revive, por meio das estações, o caminho do calvário de Cristo. O Setor de Campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e a Edições CNBB produziram uma publicação especial sobre a Via-Sacra baseada no tema da Campanha da Fraternidade 2023 que é a fome.  Uma das colaboradoras na organização do material, foi a Ulsieni Rosani de Souza Vigneron, da diocese de Campanha (MG). “Sugiro que cada um ao rezar a Via-Sacra também faça momentos de reflexão, silêncio e reze por sua comunidade. E, principalmente, pense o que cada um pode fazer para colocar o pão na mesa daquele que não tem o que comer”, disse.

O coordenador do Setor de Campanhas da CNBB, padre Jean Poul, lembra que este ano também foi feito um esforço, pela Maria de Roma, de Varginha (MG), de compôr os refrões meditativos para cada estação da Via-Sacra da CF 2023. “Os refrões fazem a junção e comunhão entre o mistério de Jesus Cristo, que morre na cruz, e o mistério do faminto e dos empobrecidos que hoje também padecem com suas cruzes”, disse o padre.

Conheça os refrões meditativos da Via-Sacra 2023 aqui:

Origem e história

A Paixão de Cristo foi introduzida na Europa pelo dominicano beato Alvaro De Zamora da Cordoba em 1402 e mais tarde pelos Frades Menores e compreende 14 momentos ou “estações” nas quais nos detemos para refletir e rezar. São uma sequências de crescentes imagens dramáticas que culminam com a morte de Cristo, em cada uma delas Jesus é atacado pelo mal, para evidenciar, por contraste, a vitória d’Ele sobre a morte e sobre o pecado que será celebrada daqui a dois dias com o Domingo da Páscoa da Ressurreição.

Na Sexta-feira Santa, 7 de abril, o Papa Francisco presidirá duas celebrações. A primeira será a Celebração da Paixão do Senhor, às 17h (horário de Roma), na Basílica de São Pedro. A segunda será a Via-sacra, às 21h15 (horário de Roma), no Coliseu. Francisco guiará a Via-Sacra do adro da Basílica vaticana, seguindo as meditações feitas pelos detentos da prisão de Pádua. Cada igreja no mundo irá fazer à sua maneira. A Via-Sacra é uma prática extra litúrgica que muitas vezes é celebrada exatamente na Sexta-feira Santa para evocar e repercorrer juntos o caminho de Jesus para o Gólgota – o lugar da crucificação – e portanto meditar sobre a Paixão.

Texto: CNBB

Foto: Mariana Ferreira/Arquidiocese de Mariana

Veja também:

Nos passos e itinerário espiritual da Semana Santa

Agenda