domingo

, 23 de junho de 2024

8º Encontro de Mulheres da Arquidiocese de Mariana é marcado por partilhas entre as participantes

08 de março de 2022 Arquidiocese

Em sintonia com o Dia Internacional da Mulher, celebrado anualmente em 08 de março, aconteceu entre os dias 03 e 04 deste mês o 8º Encontro de Mulheres da Arquidiocese de Mariana. Com o tema fixo “Mulheres: Presença forte em defesa da vida”, neste ano, o evento refletiu sobre a temática da Campanha da Fraternidade (CF) 2022, adotando o mesmo lema: “Fala com sabedoria, ensina com amor” (Pr. 31,26).

Segundo a representante a leiga da Dimensão Sociopolítica e uma das organizadoras do evento, Silene Gonçalves, a escolha em trabalhar com o tema da CF 2022 se deu justamente pelo fato de muitas mulheres estarem envolvidas nas diversas frentes da educação: nas escolas, famílias, pastorais, ações e movimentos. “Foi um momento da gente refletir um pouco sobre esse nosso papel como agentes de transformação na sociedade”, disse.

Solange ministrou palestra no primeiro dia do encontro.

Para isso, no primeiro dia do evento (03), a professora de História e agente da Pastoral Afro-Brasileira, Solange Palazzi, ministrou uma breve palestra com o tema “Mulheres na educação, como agentes de transformação”. Utilizando-se de referências bíblicas, ela citou exemplos de mulheres que, ao encontrar, dialogar e ouvir Nosso Senhor tiveram as suas vidas transformadas e transformaram a sociedade em sua volta.

“O grande diferencial dessa Campanha da Fraternidade é que ela propõe um Jesus que ouve, que dialoga, que discerne, mas que, principalmente, quer mudanças sociais de verdade. Eu quero acreditar que o ponto forte da conversa que tive com as mulheres da Arquidiocese foi exatamente para dizer que precisamos agir para criar uma sociedade melhor e mais justa”, afirmou Solange que também é ativista da Cultura Popular.

Calúrcia durante sua fala

Já na sexta-feira (04), durante o segundo dia, a professora da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Calúrcia Maria Silva, explanou sobre “O papel da mulher diante da pandemia”. Em sua participação, ela enfatizou que o encontro era uma oportunidade para as mulheres pensarem sobre elas mesmas e, ao fazerem isso, rever caminhos e repensar ações para deixar algo para aqueles que vierem depois de cada uma. “O caminho que temos hoje é porque outras mulheres, que viveram e caminharam antes de nós, prepararam”, ressaltou.

Além das exposições, o encontro teve também momentos de místicas, oração, depoimentos e partilhas.

Outros assuntos

Além desses, durante o evento foram abordados outros assuntos como o Pacto Educativo Global, chamado pelo Papa Francisco, o engajamento na 6ª Semana Social Brasileira (SSB), a economia de Francisco e Clara e o Sínodo dos Bispos 2021-2023.

“Nós, mulheres, somos convocadas também a escutar e ajudar para que a nossa Igreja tenha, sim, essa abertura para as mulheres. Que nós possamos nos fortalecer na caminhada para ajudarmos as demais mulheres a vencer seus desafios diante da violência, da discriminação, do enfrentamento ao machismo e do feminicídio. São muitas as lutas e nós precisamos estar unidas e fortalecidas para esta batalha”, enfatizou Silene sobre a importância de cada uma abraçar o processo sinodal. 

Impressões 

“No 8º Encontro de Mulheres o que ficou mais evidente foi a necessidade de nós, mulheres, assumimos o compromisso com a vida em torno de nós para melhorar e para que tenhamos uma sociedade onde as pessoas possam viver com mais dignidade, com mais fé e com mais confiança e que as mulheres neste lugar, neste papel, se sintam empoderadas para fazer as mudanças porque, parafraseando Angela Davis, ‘quando uma mulher negra se movimenta, toda rede da sociedade se movimenta também’ e é isso que precisamos retomar”, avaliou Solange.

O que é?

“É um ponto de encontro das mulheres lutadoras e militantes da nossa Arquidiocese de Mariana, que estão à frente de tantos trabalhos pastorais nas nossas comunidades, paróquias e movimentos sociais. O Encontro é um momento em que nós, mulheres, paramos para refletir sobre nossa atuação, celebramos, rezamos, festejamos e nos abastecemos para continuarmos a caminhada”, descreveu Silene sobre o evento.

Ainda por causa da pandemia, essa edição foi realizada on-line, com a participação pela plataforma Zoom e transmissão pelas redes sociais da Arquidiocese de Mariana. A expectativa é que, em 2023, em sua 9ª edição, o Encontro de Mulheres da Arquidiocese de Mariana possa, finalmente, voltar a acontecer presencialmente. Confira como foi o evento AQUI.

Confira o vídeo homenagem preparado AQUI

Veja também:

Presidência da CNBB apresenta carta do episcopado brasileiro às famílias, educadores e gestores

Educação é tema em destaque da Campanha da Fraternidade 2022