terça-feira

, 09 de agosto de 2022

Conheça o Movimento Mães que Oram pelos Filhos

19 de maio de 2022 Arquidiocese

Logo oficial do movimento / Divulgação

Ao longo do mês de maio, a Igreja celebra a devoção à Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa. Em sintonia com o mês mariano, o Departamento Arquidiocesano de Comunicação (Dacom) preparou um conteúdo especial sobre o Movimento “Mães que Oram pelos Filhos”,  presente em algumas paróquias desta Igreja Particular desde setembro de 2014, quando teve início o primeiro grupo na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, em Barbacena (MG).

Para isso, o Dacom conversou com Lídia Botelho, que desde 2018 integra o movimento da Paróquia Bom Pastor, em Conselheiro Lafaiete (MG). 

Dacom: Como surgiu o Mães que Oram pelos Filhos?

Lídia: O Movimento surgiu em 2011, na cidade de Vitória (ES), quando cinco mães, conversando, perceberam que, teoricamente, davam tudo para os seus filhos, aquilo que eram as necessidades deles na vida, mas foram vendo que não era realmente tudo; que faltava algo mais profundo, sublime e importante que era a oração. 

Então, elas começaram a se reunir com esse intuito de rezarem por eles. O movimento, por ser algo tão iluminado, foi crescendo e hoje existe em todos os estados brasileiros e em vários países fora do Brasil também.  

O grupo se reúne, semanalmente ou quinzenalmente, e para que o encontro aconteça existe uma metodologia, seguida por todos os grupos, com três momentos: o Terço, com orações próprias do Movimento; um momento de formação, que chamamos Escola de Nazaré, que ocorre os estudos bíblico e litúrgicos; e, no final, um momento oracional, feito a partir da passagem bíblica estudada ou, quando é um estudo litúrgico, a indicada para o dia a partir do que foi refletido. Tem ainda uma equipe que coordena e cada integrante tem a sua função. É tudo muito bem organizado, dividido por pessoas responsáveis por cada área.

Grupo AMO da Paróquia Bom Pastor, em Conselheiro Lafaeite (MG). Arquivo Lídia Botelho

É um movimento muito bonito, em que a mãe vai rezar para o seu filho e, na verdade, ela é fisgada no seu coração pelo amor de Deus e se torna uma pessoa melhor, busca sua própria santidade e passa a se sentir, ali, como aquela peça chave, a porta de salvação para sua casa. Ela vai crescendo na caminhada e fazendo com que sua família cresça também porque o carisma do nosso movimento é “a restauração das famílias pelo poder da oração”. 

Nós temos também um tripé que é a humildade, a obediência e a unidade, que faz com que todas as mães possam crescer muito na sua caminhada de espiritualidade. Ainda, o Movimento tem vários serviços virtuais que proporcionam acompanhamento espiritual.

Dacom: Quais são as atividades desenvolvidas pelo movimento?

Lídia: Em minha paróquia, nós desenvolvemos as atividades da seguinte maneira: temos o grupo semanal e uma vez por mês realizamos um gesto concreto em que levamos alguma oferta ou ajuda para alguma família ou entidade que está precisando. Temos ainda atividades que são nosso cronograma do ano, participando ativamente da comunidade e na paróquia. 

Temos também o encontro paroquial que realizamos no último ano e, [a partir de agora], será desenvolvido todos os anos com o objetivo de atrair mais mães para o nosso movimento, para a Igreja e para Deus, e que as mães possam sentir aquele conforto de ter mais mães junto com elas porque, muitas vezes, existe, em algum lugar, alguma mãe se sentindo sozinha na luta. 

Sempre falamos que onde tiver uma mãe precisando, nós temos que trabalhar; nós não temos descanso. Nós temos que buscar as mães que mais precisam da Graça de Deus e da força do alto. Então, desenvolvemos essas atividades, buscando ser uma Igreja em Saída e convidando mais mães para participar do Movimento. 

Encontro das Mães que Oram pelos Filhos da Paróquia do Bom Pastor, em Conselheiro Lafaiete (MG), realizado em outubro de 2021. Foto: Pascom da Paróquia do Bom Pastor

Dacom: Para você, qual é a importância de uma mãe orar pelo filho?

Lídia: Para mim, é de grande importância a oração da mãe pelo seu filho, pois ela nos conecta com Deus, eleva a nossa alma a Ele e, no caso dessa oração, que é uma intercessão da mãe pelo filho, nós cremos que Deus é capaz de tocar o coração do filho pela oração da mãe; a mãe que insiste, que dobra o joelho e que crê que Deus está ouvindo. 

Essa oração da mãe, vai levar o filho a entender melhor a vontade de Deus na vida dele, a viver uma vida de mais virtude e de santidade, para alcançar um dia a salvação eterna, e pedir proteção. A mãe tem um sentimento muito grande de proteção; todas nós queremos proteger nossos filhos ao máximo. Como ela quer ficar com o filho o tempo inteiro, mas não é possível, a oração também nos dá segurança que Deus protege e acompanha os nossos filhos em tudo aquilo que eles precisam. Essa oração é muito importante porque ela alcança o coração de Deus. Então, é de suma importância a mãe estar sempre rezando pelo seu filho porque tem muitas coisas que fogem das mãos das mães e dos pais e isso nós vamos alcançar na oração.

Dacom: O que significa para você fazer parte desse movimento? Como se sente?

Lídia: Para mim, fazer parte do Movimento Mães que Oram pelos Filhos foi realmente um divisor de águas na minha caminhada com Deus. Eu sempre participei muito da minha paróquia, em diversas atividades, mas com o Movimento eu me aprofundei muito na minha fé: cresci e desenvolvi. 

Me emociono ao falar do Mães que Oram Pelos Filhos porque ele realmente nos faz ter um encontro pessoal e profundo com Deus, saindo da superfície. Eu costumo dizer que, quando nós chegamos no Movimento, é um convite que Deus nos faz para ir para águas mais profundas, pois nós somos as primeiras beneficiadas — isso aconteceu comigo. Eu fui a primeira beneficiada, buscando uma vida de mais virtude, de crescimento espiritual, de estudo da Palavra de Deus por meio da leitura Orante, de ser uma pessoa que disponibiliza mais tempo para ter uma oração íntima, um momento com Deus, valorizando ainda mais Adoração. 

Tudo isso me faz sentir assim uma pessoa melhor. Eu me transformei também em uma mãe e esposa melhor porque entreguei mais o meu coração a Deus. Além disso, nos leva a nos preocupar muito com outras mães e pessoas. Então, me sinto muito bem; me sinto acolhida, feliz, realizada e sempre com aquela sede de buscar a santidade para minha família. Então, participar do movimento para mim, como disse, é um divisor de águas na minha caminhada; uma grande bênção.

Agenda